DICAS: Alimentação Enriquecida - alguns cuidados importantes

Da Coordenação Nacional da Pastoral da Criança
As Coordenaçoes Paroquiais, de Áreas, Diocesanas e Estaduais
MAIO DE 2.000 - nº 14 (2ª edição)

Há mais de 15 anos, a Pastoral da Criança vem orientando as famílias acompanhadas para o uso de uma Alimentação Enriquecida. Trata-se de enriquecer a alimentação do dia a dia, com a maior variedade possível de alimentos disponíveis na própria região. A isso chamamos de "multimistura de alimentos". Além da variedade de alimentos, a Pastoral da Criança ensina as mães a acrescentarem na comida diária de sua família uma mistura feita com farinhas e cereais, farelo de trigo e de arroz, pós de folhas verde-escuras, de sementes e de casca de ovo.

Leia mais...

 

DICAS

 

Da Coordenação Nacional da Pastoral da Criança

Às Coordenações de Ramo, Setor, Área, Núcleo, Grandes Metrópoles e Estadual.

Junho de 2005 – Número 30

 

Considera-se que uma comunidade não mostra sinal de vida quando suas FABS não são digitadas no sistema de informação por três meses ou mais. No Brasil, a cada 100 comunidades com Pastoral da Criança, 22 não mostram sinal de vida após 12 meses de existência.

Na busca de um esforço conjunto para que as comunidades com Pastoral da Criança se mantenham ativas, propomos um olhar especial de todas as coordenações, garantindo aos líderes condições de realizar com segurança suas atividades, independente das dificuldades ou de conflitos que possam existir.

Como detectar precocemente quais Ramos possuem muitas comunidades que não dão sinal de vida

A Coordenação de Setor, com os dados obtidos através do sistema de informação, pode detectar possíveis problemas, através dos seguintes relatórios:

FABS digitadas, enviado mensalmente pela Coordenação Nacional da Pastoral da Criança, juntamente com o Apoio Financeiro Mensal;

Curva de sobrevivência das comunidades, no Sistema de Informações computadorizado:

Relatório especial enviado pela Coordenação Nacional.

Como atuar nos Ramos que não dão sinal de vida:

No primeiro mês, o coordenador de Setor deve procurar o coordenador de Ramo para saber o que está acontecendo;

No segundo mês, o coordenador de Setor deve ir até o Ramo para saber o motivo de falência das comunidades. Nesta visita, o coordenador de Setor deve:

o conversar pessoalmente com o coordenador de Ramo;

o conversar pessoalmente com o pároco;

o visitar uma ou mais comunidades que deixaram de enviar as FABS para saber, diretamente dos líderes, o que está ocorrendo.

No terceiro mês:

o visitar todas as comunidades do Ramo;

o regularizar o envio das FABS;

o marcar um local para os coordenadores de comunidade entregarem as FABS, por exemplo: a secretaria paroquial;

o determinar quem do Setor se encarregará de revisar as FABS e encaminhá-las para a Coordenação Nacional.


Para que o descrito acima aconteça, é necessário já ter constituído uma equipe, com pessoas do próprio Setor, de área e capacitadores que possam visitar as comunidades tão logo se detecte um problema com a coordenação de Ramo. Os Ramos mais próximos aquele que não dá sinal de vida também podem ajudar

Como evitar que as comunidades desanimem:

Detectar precocemente situações que desanimam os líderes:

Sobrecarga por haver muitas crianças por líder;

Ver nos relatórios a Média Mensal de Crianças e Gestantes acompanhadas pela Pastoral da Criança, por comunidade;

Falta de resultados positivos: muitas crianças em situação de risco, desnutrição, pouca atenção à amamentação, morte de criança, baixa freqüência das crianças nas pesagens, poucas visitas realizadas, etc.;

Ver nos Extratos de Indicadores;

  • Falta de capacitação dos Líderes, incluindo a formação contínua. Por exemplo: não realização das Oficinas de Aperfeiçoamento;
  • Ver nos Relatório das Capacitações;
  • Falta de transparência no uso dos recursos da Pastoral da Criança;
  • Prestação de contas da coordenação de Ramo: em que e como está investindo os recursos da Pastoral da Criança.
  • FABS devolvida com erro de preenchimento. Conforme o assunto é tratado, pode-se ter reações muito distintas:

Valorização: mostrando o quão importante é o trabalho dos líderes. Por isso, mobiliza-se a Coordenação Nacional, de Setor e de Ramo para que a FABS com erro de preenchimento volte para a comunidade, se verifique o que ocorreu e se envie uma segunda via corrigida. O esforço dos líderes deve ficar registrado corretamente na história da Pastoral da Criança.

Desvalorização: reclamando da falta de atenção, “punindo” quem não fez certo, etc.

Quais comunidades devem ser visitadas primeiro?

A coordenação de Ramo deve programar suas visitas priorizando as comunidades que passam por maior dificuldade, por exemplo, aquelas que não estão enviando FABS. De modo geral, esse é o primeiro indício de que algo não vai bem.

Para evitar que as comunidades com dificuldade parem as atividades da Pastoral da Criança, é necessário traçar estratégias para motivar e direcionar a caminhada. Nesse caminho, algumas dicas podem ser seguidas, como:

  • Conversar sobre anseios e dificuldades que possam estar prejudicando o desenvolvimento do trabalho;
  • Pouca consciência das dificuldades do trabalho, empolgação inicial e depois desânimo;
  • Fofocas e competição entre as líderes e com as outras pastorais;
  • Observar como os líderes estão fazendo as visitas domiciliares (conforme orientação do Caderno do Líder);
  • Colaborar na superação das dificuldades encontradas nessas visitas;
  • Acompanhar um Dia de Celebração da Vida (como tarar a balança, se as crianças são pesadas sem excesso de roupas, como está a anotação no gráfico peso-idade, a anotação no Caderno do Líder);
  • Participar de uma Reunião para Reflexão e Avaliação (como está a soma da 3ª parte do Caderno, o preenchimento da FABS e o envio para a Coordenação Nacional);
  • Saber se os líderes estão sobrecarregados em relação ao número de crianças e gestantes acompanhadas ou por outra tarefas;
  • Verificar se falta algum material para que os líderes desempenhem suas atividades;
  • Observar se há conflito entre os membros da Pastoral da Criança ou algum problema de doença, a coordenadora comunitária engravidou, está trabalhando, etc.
  • Conversar com pessoas da comunidade, como professores, ministros da Eucaristia, responsáveis por outras pastorais e lideranças locais. A avaliação de pessoas externas à Pastoral da Criança pode ser muito útil para “ver” algumas coisas que nos passam despercebidas no dia-a-dia, bem como para promover a busca por novas lideranças.

A comunidade totalmente falida deve ser prioridade absoluta para o coordenador de Ramo. Neste caso, reunir com o pároco, os líderes que desanimaram e com outras pessoas da comunidade (item 9, acima). Julgar o que pode ser feito e Agir, superando as dificuldades e retomando as atividades de rotina. Caso seja necessário, programar a identificação e capacitação de novos líderes.

  • O acompanhamento é fator indispensável para que as comunidades possam se manter ativas. O coordenador de Ramo precisa estar atento, visitando suas comunidades ao menos uma vez no ano – o ideal seria visitar cada comunidade, quatro vezes no ano. Visita de acompanhamento refere-se aos 9 ítens descritos acima, e não somente a visita em dia de festejos, celebrações ou capacitação.
  • A Coordenação de Setor pode auxiliar os Ramos a manter suas comunidades vivas:
  • Promovendo visitas de acompanhamento aos Ramos motivando-os para a Missão. As visitas de acompanhamento devem ser planejadas de acordo com a realidade geográfica, mas a visita deve acontecer no mínimo uma vez ao ano, para cada Ramo.
  • Analisando, com o Coordenador de Ramo, como estão os dados e conversando sobre a situação;
  • Assegurando oficinas de aperfeiçoamento, um direito dos líderes à formação contínua;
  • Promovendo capacitações no Guia do Líder, para novas lideranças.
  • Encaminhando para capacitação de missão do Coordenador de Ramo e Área, os coordenadores que pertencem ao seu Setor.
  • Facilitando o trabalho dos líderes na existência de alguma dificuldade ou conflito.


É na participação solidária que formamos a família da Pastoral da Criança, quando o resgate das comunidades é compromisso de todos, “cuidando” para que as atividades do líder estejam asseguradas, acolhendo idéias diferentes, aprendendo e analisando em conjunto os resultados, sejam eles bons ou não. Tornando nossos atos comunitários, e não individuais, formamos comunhão, onde os frutos aparecem e se somam no acolhimento e na luta pela garantia de vida digna para todos!

 

DICAS

 

Da Coordenação Nacional da Pastoral da Criança

Às Coordenações de Ramo, Setor, Área, Núcleo, Grandes Metrópoles e Estadual.

SETEMBRO DE 2005 - NÚMERO 28

 

A Alimentação Enriquecida é a nossa comida de todo o dia preparada com a variedade dos alimentos regionais, de qualidade nutricional e sanitária, de sabor agradável e de baixo custo.

Leia mais...

DICAS

Da Coordenação Nacional da Pastoral da Criança
Às Coordenações de Ramo, Setor, Área, Núcleo, Grandes Metrópoles e Estadual.
Fevereiro, 2006 - nº 35 

A saúde da população está em risco. Apesar das grandes conquistas na economia, as desigualdades sociais, a pobreza que atinge grande parte da população mundial, especialmente a brasileira, favorecem o surgimento e o agravamento de várias doenças. Muitas necessidades de nosso povo ainda não foram atendidas, como habitação, saneamento, alimentação adequada, educação para todos, informação, atenção à saúde, entre outros.

Outro perigo está no uso de novas tecnologiasde novas descobertas da ciência sem o conhecimento adequado. Além disso, a introdução de novos hábitos alimentares pouco saudáveis contribuem para o aumento de doenças. Não podemos esquecer que hoje muitas bactérias, vírus e outros agentes que provocam doenças têm mais facilidade de cruzar o mundo em poucas horas. Podemos destacar aqui também o aparecimento de novos produtos, como equipamentos médicos e remédios, por exemplo, que são vendidos nos países sem os necessários cuidados quanto aos seus riscos. Todos esses fatores aumentam muito a exposição das pessoas a perigos de vida e exigem um Sistema Nacional de Vigilância Sanitária eficaz e atuante. O Sistema é composto por órgãos de governo federais, estaduais e municipais de vigilância sanitária, que buscam criar e manter um mundo mais saudável para se viver.

VAMOS REFLETIR:

Este Dicas pretende servir como um importante material de apoio aos voluntários, comunicadores, líderes, articuladores e educadores em saúde para informar e mobilizar a comunidade sobre a importância da Vigilância Sanitária. É muito importante reunir líderes, padres, pastores, Pastoral da Saúde, Associação de Moradores e demais associações locais, Conselhos Municipais para discutir formas de trabalhar em conjunto para levar mais informação sobre a Vigilância Sanitária às famílias da comunidade.

O líderes da Pastoral da Criança fortalecem a atuação da Vigilância Sanitária no Brasil. Como estão bem próximos das famílias, podem orientá-las a identificar situações em que as normas da Vigilância Sanitária não estão sendo cumpridas, como por exemplo com relação à produção, armazenagem e comercialização de alimentos e medicamentos; às condições de higiene de bares, restaurantes, supermercados, padarias, açougues, feiras, farmácias...; à comercialização de produtos clandestinos e os riscos que trazem para a saúde.

Queremos relembrar que o Dicas tem como principal objetivo servir de instrumento de discussão nas Rodas de Conversa e reuniões comunitárias. Por isso, utilizamos o método VER, JULGAR, AGIR, AVALIAR e CELEBRAR. Ele tem por objetivo despertar o senso crítico e a capacidade de perceber os fatos como eles realmente acontecem. A partir disso, a comunidade organizada busca soluções para garantir mais vida e saúde para todos.

PIMEIRO MOMENTO: VER

O momento de VER, relacionado com a Vigilância Sanitária, é conhecer o que é a Vigilância Sanitária e saber qual é o seu papel na família e na comunidade. Algumas orientações sobre o assunto, descritas a seguir, podem ajudar o grupo iniciar a conversa sobre o assunto.

O que é a Vigilância Sanitária? Este nome significa o conjunto de ações capazes de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e de intervir nos problemas sanitários que têm relação com o meio ambiente; produção e transporte de mercadorias; e prestação de serviços de interesse da saúde. A Vigilância Sanitária acompanha todas as etapas e processos dos produtos e dos serviços que a população utiliza e que tem a ver com a saúde, desde a etapa da produção, passando pela comercialização até os efeitos após o consumo.

O que é a Anvisa? A Anvisa foi organizada em 1999 para realizar as ações de competência da antiga Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. A criação da Anvisa permitiu ao Ministério da Saúde enfrentar problemas crônicos na área de saúde e modernizar a Vigilância Sanitária no País. Sua função é promover e proteger a saúde da população. Além disso, a Anvisa exerce o controle de portos, aeroportos e fronteiras e a articulação junto ao Ministério das Relações Exteriores e instituições estrangeiras para tratar de assuntos internacionais na área de vigilância sanitária.

A atuação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está presente praticamente em todos os setores da sociedade, seja mediante atuação direta ou por articulação com o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária. A Anvisa cria regras sanitárias para assegurar tanto a prevenção de doenças e a proteção da saúde dos fregueses de uma barraca de feira quanto a dos usuários de um hospital com tecnologia de última geração. Na verdade, a Vigilância Sanitária está mais presente em nosso dia-a-dia do que muita gente pensa.

Então, em nossas comunidades, vamos ver, vamos prestar atenção nos alimentos, medicamentos, na higiene, na qualidade dos produtos, vamos orientar as famílias para ver se no rótulo das embalagens estão especificadas as exigências da Anvisa, como prazo de validade, data de fabricação, registro, etc... Vamos também ficar atentos aos produtos clandestinos ou ilegais que muitos vendem nos bairros e feiras de nossas cidades, tais como produtos de limpeza (amaciantes de roupa, detergentes, água sanitária, "cloro", etc...). Muitos desses produtos são vendidos em garrafas coloridas e até de refrigerantes, o que pode causar envenenamento de crianças que são atraídas pela garrafa, sem saber o perigo do conteúdo.

Há muitos produtos, lugares e serviços aos quais precisamos estar alertas em nossa comunidade para não comprometermos a saúde. Reúna a comunidade, discuta como ela qual é a realidade da comunidade com relação aos temos ligados à Vigilância Sanitária. Faça um "raio-x" da realidade.

SEGUNDO MOMENTO: JULGAR

Neste momento, convidamos os participantes a confrontar a realidade e os fatos que estão relacionados com a vigilância sanitária, já verificados no momento de VER. É refletir sobre o que está acontecendo e o que poderia ser feito para que não ocorresse mais casos, por exemplo, de contaminação por alimentos estragados ou qualquer outra coisa que comprometa a saúde e que poderia ter sido evitado.

A Pastoral da Criança busca referência para JULGAR a realidade em diferentes documentos como a Bíblia, o Guia do Líder da Pastoral da Criança, a Constituição Federal, as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e do Ministério da Saúde.

TERCEIRO MOMENTO: AGIR

Com base na discussão dos momentos anteriores, no momento do agir o grupo verifica que ações concretas que nascem das propostas podem ser aplicadas na comunidade. Cada participante pode apresentar as ações para prevenir doenças e preservar a saúde, de acordo com as normas da Vigilância Sanitária.

Algumas perguntas podem ajudar a Pastoral da Criança a AGIR:

Que propostas poderiam ser realizadas:
Na família?
Na Comunidade?
No Serviço de Saúde?
No Conselho de Saúde?
Que parceiros podem ajudar em cada ação?
Qual será o prazo para a realização desta ação?
Que recursos são necessários e como conseguir estes recursos?
Quem contactar, a quem recorrer, em casos de problemas nessa área?
Importante: é definir quais as ações são prioritárias e os responsáveis pelo encaminhamento de cada uma delas.

A Pastoral da Criança pode ajudar: Esta parceria entre a Anvisa e a Pastoral da Criança pretende ser um grande mutirão pela vigilância sanitária em nosso país, ou seja, um grande mutirão em defesa da vida, da saúde de nossa população. Os líderes, coordenadores, equipes de apoio, coordenação da Pastoral da Criança, comunicadores e articuladores têm uma contribuição de suma importância nesta ação, pois estão sempre em contato com as crianças e famílias acompanhadas e, por isso, podem orientá-las para que haja mais saúde para todos.

Abaixo, o Dicas oferece algumas sugestões sobre como o voluntário da Pastoral da Criança pode atuar neste mutirão:

Ao fazer as visitas às famílias e pesar as crianças da Pastoral da Criança, cada líder deve conversar com as mães e familiares sobre como está a vigilância sanitária na comunidade. O Dicas sobre o tema poderá ser utilizado nas Rodas de Conversa.

Articular parcerias de trabalho com os agentes dos programas de Saúde da Família e de Agentes Comunitários de Saúde. Convidar agentes da Vigilância Sanitária do município para ajudar a esclarecer as dúvidas da comunidade.

Organizar parceria com outras pessoas e entidades; fazer uma articulação com emissoras de rádio, jornais e outros. Você também pode divulgar as informações sobre a Vigilância Sanitária que estão no Jornal da Pastoral da Criança e no programa de rádio Viva a Vida.

Os articuladores da Pastoral da Criança junto ao Conselho de Saúde e conselheiros devem ser envolvidos nesta luta. Propomos que eles agendem uma discussão sobre o assunto na reunião do Conselho. Além de acompanhar o acesso aos serviços de saúde, os Conselheiros de Saúde devem estar vigilantes para que as normas da Vigilância Sanitária sejam conhecidas e respeitadas.

O objetivo da Pastoral da Criança não é assumir todas as ações propostas nas rodas de conversa. Os líderes já fazem sua parte ao acompanhar crianças e orientar as famílias nos seus direitos e deveres. Por isso, lembre-se que outras pessoas da comunidade pode ser convidadas e, unidas com a Pastoral da Criança, podem somar esforços e dividir responsabilidades.

QUARTO MOMENTO: AVALIAR

Nesse momento verifica-se a satisfação do grupo com as decisões tomadas e discute-se o que pode melhorar para a próxima reunião. Planeja-se também o próximo encontro para avaliar as ações propostas nessa reunião.

Uma pergunta que pode ser lembrada no futuro sobre este assunto: o número de casos de contaminação por alimentos ou de venda de produtos clandestinos ou de problemas com medicamentos, por exemplo, está diminuindo depois de 6 meses ou um ano? E as ações da Vigilância Sanitária estão mais conhecidas e respeitadas na comunidade?

CELEBRAR:

O momento de CELEBRAR é agradecer a Deus pelo precioso dom da vida que Ele nos concede. É partilhar as conquistas com todas as pessoas envolvidas na luta para construir melhores condições de vida para as crianças e suas famílias. O empenho dos voluntários da Pastoral da Criança pode ajudar a esclarecer as pessoas das comunidades sobre a importância da Vigilância Sanitária. Asssim, poderemos comemorar a vitória da saúde, a vitória da cidadania, a vitória da vida!

Qualquer dúvida sobre a Vigilância Sanitária entre em contato com:
Anvisa (Agência Nacional da Vigilância Sanitária) - Assessoria de Relações Institucionais
SEPN 511 Bloco A Edifício Bittar II 4º andar sl. 408B CEP: 70750-541 - Brasília - DF
Telefone: (61) 3448-6380
Fax: (61) 3448-6374
E-mail:Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Página Oficial - O endereço da Anvisa na Internet www.anvisa.gov.br serve de caminho para comunicação da Agência com a sociedade. Nele, a pessoa encontra informações sobre as obrigações da Anvisa . Consulta o registro de produtos e medicamentos, informações sobre rótulos de alimentos, pedidos de registro sendo avaliados, notícias sobre as principais ações do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, telefones de todos os Centros Estaduais e Municipais de Vigilância Sanitária no país, entre outras. Vale a pena conferir!