18º CÍRCULO

EDUCAR OS FILHOS NO CAMINHO DE DEUS

A vida familiar de Oséias

Oséias 1,2 até 2,25

 

Acolhida

 

  • Canto Inicial
  • Criar um bom ambiente. Dar as boas-vindas. Colocar as pessoas à vontade.
  • Invocar a luz dos Espírito Santo.
  • Breve memória do encontro anterior.

 

1. Um fato da Vida que nos faz pensar

"Moro na comunidade Maria Lacerda, do Bairro da Várzea - Recife/PE. Meu pai, Antônio Félix, trabalhava em uma transportadora e minha mãe, Genoveva Maria da Conceição, era lavadeira. Em 1989, recebemos o convite para participar da Pastoral da Criança. Os líderes visitaram nossa família, começamos a freqüentar o dia do peso, meus irmãos eram acompanhados e muita coisa mudou na nossa casa. Depois de alguns anos, minha mãe foi ser líder da Pastoral da Criança. Ela não sabia ler, por isso desde a idade de 11 anos eu a acompanhava nos seus trabalhos para fazer as anotações durante as capacitações, nas visitas às famílias eu é que anotava no caderno o que ela pedia, mais tarde ela também entrou no grupo de alfabetização da Pastoral da Criança e já sabe ler e escrever. Ela continua fazendo as ações como líder. Muita gente criticava a nossa família, dizendo que minha mãe gastava o tempo dela cuidando de outras famílias, visitando crianças que as mães não queriam nada com nada. Minha mãe sabia o que estava fazendo, ajudou muitas famílias e a nossa se tornou muito mais feliz depois que começou a participar da Pastoral da Criança. Com o passar do tempo, seguindo o exemplo da minha mãe, tornei-me líder da comunidade. Fiz a capacitação do Guia do Líder, acompanho as famílias e adoro o que faço. Agora também sou capacitador das oficinas de reflexão e avaliação da Pastoral da Criança na Arquidiocese de Olinda e Recife/ Setor Recife, encontro líderes de várias paróquias, tenho aprendido muito e minha família está feliz com tudo que estamos arprendendo na Pastoral da Criança.

 

2. Um texto da Bíblia que ilumina a Vida

2.1. Introdução à leitura do texto. As exigências da monarquia na época do profeta Oséias exigia que as famílias dessem seus filhos para a guerra ou para os trabalhos forçados. Durante a leitura vamos prestar atenção na maneira como a vida familiar de Oséias reflete a situação trágica em que viviam as pessoas naquela época.

2.2. Leitura lenta e atenta do texto: Oséias 1,2 até 2,25.

2.3. Perguntas para a reflexão:

o De que você mais gostou neste texto? Por quê?

o De que maneira a vida na sociedade daquela época se reflete na vida familiar de Oséias?

o Como a experiência familiar de Oséias ajudou-o a descobrir o rosto de Deus?

o A partir da sua vida familiar, de seus vizinhos e amigos, qual a situação de nosso país hoje? E como Deus se manifesta em tudo isso?

 

3. Celebrar e partilhar a Vida em forma de oração

Sugestões para a celebração

  • Colocar em forma de oração as descobertas feitas no encontro de hoje. Após cada oração vamos repetir o refrão: Fortalecei nossas famílias, Senhor!
  • Rezar um salmo. Sugestão: o Salmo 63 (62). Este salmo é um hino ao amor de Deus. É este amor de Deus que dá sentido a tudo o que nos acontece. Podemos vencer qualquer dificuldade se sentirmos a mão de Deus nos amparando.
  • Rezar o Pai-Nosso.

 

4. Voltar para casa e testemunhar a Vida Nova

  • Assumir um compromisso pessoal e comunitário com as famílias carentes de nosso bairro.
  • Canto Final

 

Preparar o próximo encontro

  • Em nosso próximo encontro vamos acompanhar as dificuldades do sírio Naamã em conseguir a cura para sua enfermidade. O texto de estudos é 2Reis 5,1-27.
  • Distribuir as tarefas da acolhida e da leitura do próximo encontro.
  • Marcar data e local do próximo encontro.

 

AJUDA PARA O GRUPO

O profeta Oséias percebeu que os problemas existentes numa sociedade se refletem na vida familiar. A casa é o espaço onde tudo ressoa. A vida das pessoas são atingidas pelas medidas governamentais, tanto as boas quanto as ruins. Nesta sua descoberta, Oséias começa a dar um significado simbólico à vida de seus filhos. Os filhos refletem o abandono das leis de Deus por uma sociedade gananciosa e violenta. A família de Oséias simboliza o momento em que passa o povo de Deus. Não apenas a família de Oséias, mas todas as outras famílias dentro do Povo correm o risco de entrar num processo de desagregação devido à política dos reis, que buscavam glórias através do sofrimento do povo. Os reis pediam que os pais enviassem os filhos para a guerra. O alimento que deveria alimentar as famílias estava sendo desviado para o comércio internacional. Uma sociedade assim não poderia dizer que Deus está presente no meio dela. Dando um sentido simbólico ao seu casamento e aos seus filhos, Oséias busca mostrar ao povo o caminho da volta, o caminho da conversão.

17º CÍRCULO

OS FILHOS E AS FILHAS SÃO UM SINAL DE DEUS

Os filhos de Isaías ajudam o profeta a viver sua missão

Isaías 7,3-9 e 8,1-4

 

Acolhida

 

  • Canto Inicial
  • Criar um bom ambiente. Dar as boas-vindas. Colocar as pessoas à vontade.
  • Invocar a luz dos Espírito Santo.
  • Breve memória do encontro anterior.

 

1. Um fato da Vida que nos faz pensar

"Meu nome é Conceição, sou coordenadora de ramo da paróquia Nossa Senhora Aparecida de Labatut, região Episcopal Ipiranga.

Nasci numa fazenda no estado do Paraná e, para cuidar de uma enfermidade de meu pai, Lauro, nos mudamos para São Paulo. Minha mãe, Ilda, sempre participou da Igreja católica, foi catequista e meus pais deram a mim e a meus irmãos uma educação religiosa, inclusive lendo a bíblia sempre para nós.

Continuei meu trabalho pastoral junto com meu marido Josué e, em 2001, fui convidada para fazer capacitação do Guia do Líder, me entusiasmei com o trabalho e foi implantada a Pastoral da Criança em minha paróquia.

Hoje, toda minha família me ajuda neste trabalho, meu marido, minha filha Aline, meus irmãos Paulo, João, Osilda e Ires, meus cunhados Divandir, Franklin, Nilsa e Bigail e meu sobrinho André.

Ultimamente, temos passado por problemas sérios de saúde com alguns membros de nossa família, mas unidos e com fé foram alcançadas muitas graças".

Assim como Isaías, que envolveu os filhos para que pudesse exercer sua missão de profeta, também nós da Pastoral da Criança sabemos a importância do envolvimento da família para realização do nosso trabalho. Na Região Ipiranga, em São Paulo, temos como exemplo a coordenadora diocesana Maria do Rosário e a coordenadora paroquial Conceição. Ambas contam com a ajuda da família para desenvolver o trabalho. Maria do Rosário conta com seu marido, Josué, que a acompanha nas reuniões e visitas que ela faz. Conta ainda com as filhas, a mãe e a sogra, todas líderes da Pastoral. Maria do Rosário destaca: "É devido a este apoio da família que posso desenvolver com tranqüilidade o trabalho de coordenação da Pastoral da Criança."

 

2. Um texto da Bíblia que ilumina a Vida

2.1. Introdução à leitura do texto: Vamos no encontro de hoje, ler dois pequenos textos que mostram o profeta Isaías exercendo sua missão profética. Nos dois episódios Deus fala que Isaías deve engajar seus filhos na missão que ele exerce. Durante a leitura vamos prestar atenção na maneira com que Deus fala dos filhos de Isaías.

2.2. Leitura lenta e atenta do texto: Isaías 7,3-9 e 8,1-4.

2.3. Perguntas para a reflexão:

o O que mais chamou a sua atenção nestes dois textos? Por quê?

o De que maneira Deus engaja os filhos de Isaías na missão do profeta? E para que Deus pede que as crianças vão junto com o profeta?

o O que significa a presença das crianças de Isaías em meio a uma situação política bastante tensa?

o O que estes dois episódios ensinam para nós hoje?

 

3. Celebrar e partilhar a Vida em forma de oração

Sugestões para a celebração

  • Colocar em forma de oração as descobertas feitas no encontro de hoje. Após cada oração vamos repetir o refrão: Que nossas crianças sejam sinal de tua presença, Senhor!
  • Rezar um salmo. Sugestão: Vamos rezar o hino de ação de graças que Isaías elevou a Deus por ter cumprido bem a missão que ele recebeu. Esta oração está em Isaías 12,1-6.
  • Rezar o Pai-Nosso.

 

4. Voltar para casa e testemunhar a Vida Nova

  • Assumir um compromisso pessoal e comunitário com todas as crianças de nosso bairro.
  • Canto Final

 

Preparar o próximo encontro

 

1. Em nosso próximo encontro vamos perceber como a sociedade destrói uma família, conhecendo a vida familiar do profeta Oséias. O texto de estudos é Oséias 1,2 até 2,25.

2. Distribuir as tarefas da acolhida e da leitura do próximo encontro.

3. Marcar data e local do próximo encontro.

 

AJUDA PARA O GRUPO

O profeta Isaías recebeu de Deus uma missão bastante difícil. Deveria convencer o rei de Judá que a guerra não destruiria o país. Mas o rei deveria confiar unicamente em Deus. Ora, o rei, em seu desespero, tinha matado seu próprio filho para garantir o seu trono (cf. 2Rs 16,3). Tendo sacrificado o menino, o rei tinha matado o seu próprio futuro! Então Deus envia o profeta Isaías acompanhado do filho para falar ao rei que enquanto houver uma criança, haverá futuro para o país e para o povo. Desta forma, as crianças de Isaías eram a garantia que Deus dava de que estava presente no meio do povo. Qualquer criança que nasce é uma certeza e uma garantia de futuro. Os dois filhos de Isaías falavam mais do que qualquer mensagem do próprio profeta.

16º CÍRCULO

IRÁ CHEGAR UM NOVO DIA

O sonho do profeta Zacarias

Zacarias 8,1-8

 

Acolhida

 

  • Canto Inicial.
  • Criar um bom ambiente. Dar as boas-vindas. Colocar as pessoas à vontade.
  • Invocar a luz dos Espírito Santo.
  • Breve memória do encontro anterior.

 

1. Um fato da Vida que nos faz pensar

Na aldeia Água Bonita, uma comunidade indígena na Diocese de Campo Grande, os líderes da Pastoral da Criança, com a equipe de brinquedistas da comunidade preparam uma tarde de brinquedos e brincadeiras com as crianças, famílias e todo o grupo da Pastoral da Criança.

A comunidade enfrenta os problema de grande parte das nossas comunidade indígenas que acabam absolvendo parte da cultura branca, o descaso dos governantes, as doenças da cidade, e um grande empobrecimento. O descaso dos governos e sofrimento das comunidades pobres também é visto em nossas comunidades da periferia

Com a ação da Pastoral da Criança na aldeia, eles retomaram muita coisa da sua cultura, e tiveram a chance de reviver muita das suas brincadeiras. A Vera nos conta que eles passaram uma tarde deliciosa com as crianças indígenas, ressaltando as brincadeiras da comunidade, com a participação de crianças maiores, adultos e pais. Neste dia, as atividades de brincar uniu toda a comunidade indígena juntamente com a Pastoral da Criança. Ela nos diz: "A felicidade estava estampada na expressão de seus olhares brilhantes de alegria no faz de conta. Brincando de casinha as meninas se realizavam, os meninos com instrumentos musicais cantavam e dançavam, as mães estavam felizes com seus filhos brincando. A alegria nas ruas, nas casas, foi uma festa para aquelas crianças da aldeia, de bebê à adolescentes, mães, pais, e também os avós e pessoas de idade, todos juntos em uma só festa".

A experiência do brincar é tão importante para a criança, porque através da brincadeira a criança nutre o seu interior, podemos dizer que a é tão essencial para sua vida ter esse direito garantido, quanto o direito de se alimentar. Observando as crianças brincando podemos constatar que ela se realiza, e tem muito mais saúde e desenvolvimento na escola. Vemos um sonho se realizando e que este sonho seja para todas as crianças, famílias e idosos construindo uma nova sociedade.

 

2. Um texto da Bíblia que ilumina a Vida

 

2.1. Introdução à leitura do texto. O profeta Zacarias vive numa época de incertezas. Era o tempo em que se buscava reconstruir o país, devastado pelo exílio. Existe muita esperança entre as famílias. Durante a leitura vamos prestar atenção na maneira em que o profeta encoraja as pessoas a se lançar na reconstrução do país.

2.2. Leitura lenta e atenta do texto: Zacarias 8,1-8.

2.3. Perguntas para a reflexão:

o O que mais chamou a sua atenção neste texto? Por quê?

o Quais as promessas de Deus apresentadas pelo texto?

o Que esperanças estas palavras transmitem para os reconstrutores daquela época? E para nós, hoje?

3. Celebrar e partilhar a Vida em forma de oração

Sugestões para a celebração

  • Colocar em forma de oração as descobertas feitas no encontro de hoje. Após cada oração vamos repetir o refrão: Aumenta nossa esperança, Senhor!
  • Rezar um salmo. Sugestão: o Salmo 127 (126). Este salmo é uma oração de confiança na presença de Deus em todos os nosso projetos de construção de um mundo mais justo.
  • Rezar o Pai-Nosso.

 

4. Voltar para casa e testemunhar a Vida Nova

  • Assumir um compromisso pessoal e comunitário em construir relações humanas em nosso bairro.
  • Canto Final

 

Preparar o próximo encontro

  • Em nosso próximo encontro vamos ver como os filhos de Isaías ajudaram o profeta no desempenho de sua missão. Usaremos dois textos para o estudo: Isaías 7,3-9 e 8,1-4.
  • Distribuir as tarefas da acolhida e da leitura do próximo encontro.
  • Marcar data e local do próximo encontro.

 

AJUDA PARA O GRUPO

Nós sempre trabalhamos a partir de nossos sonhos e de nossas esperanças. Nossa esperança de um mundo melhor não poderá nunca ser menor que nosso medo dos problemas que hoje enfrentamos. O profeta Zacarias é um homem que viveu as amarguras do exílio na Babilônia e agora volta para sua terra. Mas naquela época Judá era um país devastado e Jerusalém um monte de ruínas. Os que voltaram do exílio devem agora se lançar com coragem na reconstrução da cidade e de todo o país. Mas esta tarefe exige muita esperança e dedicação. Logo o povo enfraquece e se lança em, brigas internas. Volta a antiga mentalidade e as pessoas abandonam o projeto comunitário para buscar seus próprios interesses. É muito difícil se lançar no projeto de Deus, alicerçado na prática da justiça e da fidelidade. Se quisermos construir um novo país, onde haja vida e alegria para todas as crianças e para todos os idosos, devemos começar pela prática da justiça e não medir as pessoas pela sua produção e consumo, como acontece hoje na sociedade neoliberal em que vivemos.

Leia mais...

15º CÍRCULO

ACOLHIDA, SOLIDARIEDADE E PARTILHA

Defendendo o sonho de uma vida comunitária

Rute 1

 

Acolhida

 

  • Canto Inicial
  • Criar um bom ambiente. Dar as boas-vindas. Colocar as pessoas à vontade.
  • Invocar a luz dos Espírito Santo.
  • Breve memória do encontro anterior.

 

1. Um fato da Vida que nos faz pensa

A família do Seu Valdir e de Dona Neusa morava numa cidade onde havia muita fome, miséria, desemprego e falta de oportunidades em todos os sentidos.

Desesperados e fugindo dessa situação seu Valdir e Dona Neusa partiram para a capital de outro Estado, levando o filho de 7 anos. Partiram em busca de trabalho e de melhores condições de vida. Chegaram na cidade grande sem a mínima noção, sem qualificação nenhuma. Foi na paroquia de uma comunidade da periferia que o casal encontrou a acolhida e auxilio.

O tempo passou, uma vida de muito trabalho e dificuldades. O filho cresceu e se casou. Seu Valdir, devido a tantas labutas e problemas não conseguiu controlar a pressão alta e acabou morrendo depois do segundo derrame. Dona Neusa agora se apoiava no filho e na nora, Sueli. Contudo, depois da morte do marido a saudade de sua terra natal aumentou muito e ela decidiu voltar, mesmo suportando os comentários dos parentes que diziam: "-Nossa, depois de tantos anos volta pra cá sem nada. Pra quê? Só pra ser mais uma pra sofrer...". Dona Neusa ouvia os comentários calada e sempre se lembrava do que havia aprendido na comunidade da paróquia onde ela e Seu Valdir participavam. Assim, Dona Neusa acabou entrando para a Pastoral da Criança de sua cidade natal.

Foi num acidente na construção civil que Sueli perdeu o marido, ainda moço. Dona Neusa veio para chorar a morte do filho e apoiar a nora neste momento muito difícil para as duas. Quando Dona Neusa decidiu voltar para a sua cidade sua nora, Sueli, quis ir com ela. Dona Neusa, a princípio, não foi muito a favor. O que faria Sueli em sua cidade? Mas Sueli queria ficar com a sogra. As duas estavam sós e decidiram unir forças. Hoje, uma cuida da outra, são muito amigas e trabalham na Pastoral da Criança. Sueli também ajuda na catequese e, deste modo, elas vão a cada dia descobrindo o chamado de Deus que fala também através do sofrimento e das tragédias que acontecem.

2. Um texto da Bíblia que ilumina a Vida

2.1. Introdução à leitura do texto: O livro de Rute é uma das mais bonitas histórias preservadas na Bíblia. O livro quer mostrar que a verdadeira obediência à Lei de Deus está na defesa dos direitos dos pobres. Durante a leitura vamos prestar atenção na proposta de solidariedade de Rute para com sua sogra Noemi.

2.2. Leitura lenta e atenta do texto: Rute 1.

2.3. Perguntas para a reflexão:

o Quais os personagens presentes no texto e o que cada um faz na narrativa?

o Qual o ponto central deste texto e que ilumina todo o restante?

o Qual o rosto de Deus que transparece neste texto?

o O que nos ensinam as atitudes corajosas de Rute?

3. Celebrar e partilhar a Vida em forma de oração

Sugestões para a celebração

  • Colocar em forma de oração as descobertas feitas no encontro de hoje. Após cada oração vamos repetir o refrão: Dai-nos coragem, Senhor!
  • Rezar um salmo. Sugestão: o Salmo 1. Este salmo nos apresenta dois projetos: ou estamos no caminho que nos é proposto pela Palavra de Deus, ou estamos na contra-mão do projeto de Deus.
  • Rezar o Pai-Nosso.

 

4. Voltar para casa e testemunhar a Vida Nova

  • Assumir um compromisso pessoal e comunitário com a pacificação de nossas comunidades.
  • Canto Final

 

Preparar o próximo encontro

 

  • Em nosso próximo encontro vamos conhecer a grande utopia do profeta Zacarias: uma sociedade livre com as crianças brincando despreocupadas nas praças. O texto de estudos é Zacarias 8,1-8.
  • Distribuir as tarefas da acolhida e da leitura do próximo encontro.
  • Marcar data e local do próximo encontro.

 

AJUDA PARA O GRUPO

O livro de Rute é uma bonita peça teatral dividida em quatro atos. Cada capítulo do livro corresponde a um ato da peça. Vale a pena ler todo o livro para percebermos a coragem de Rute em enfrentar todas as barreiras e os preconceitos buscando a segurança e o conforto de sua sogra Noemi. Rute quer apenas que sua sogra possa viver em paz e em segurança. Para atingir estes objetivos ela não mede esforços. Tendo vencido as dificuldades da viuvez, da doença e da morte, ela vai para Judá, um país estrangeiro, com normas e leis diferentes, para se colocar a serviço de Noemi. No capítulo que meditamos vemos que as dificuldades, a fome estão destruindo a vida das pessoas. Depois que a doença dizimou sua família, as três mulheres, sem pão, sem família e sem terra, migram para Belém em busca de uma vida melhor. Assim são os pobres, de ontem e de hoje. Continuamente estão lutando por seus direitos e por sua sobrevivência, deslocando-se de um lugar para outro, buscando uma vida digna para si e para os seus. O livro de Rute ensina que os direitos básicos de qualquer ser humano é terra, pão, família, convivência.