DICAS

 

Da Coordenação Nacional da Pastoral da Criança

Às Coordenações de Ramo, Setor, Área, Núcleo, Grandes Metrópoles e Estadual.

SETEMBRO DE 2005 - NÚMERO 28

 

A Alimentação Enriquecida é a nossa comida de todo o dia preparada com a variedade dos alimentos regionais, de qualidade nutricional e sanitária, de sabor agradável e de baixo custo.

Leia mais...

DICAS

Da Coordenação Nacional da Pastoral da Criança
Às Coordenações de Ramo, Setor, Área, Núcleo, Grandes Metrópoles e Estadual.
Fevereiro, 2006 - nº 35 

A saúde da população está em risco. Apesar das grandes conquistas na economia, as desigualdades sociais, a pobreza que atinge grande parte da população mundial, especialmente a brasileira, favorecem o surgimento e o agravamento de várias doenças. Muitas necessidades de nosso povo ainda não foram atendidas, como habitação, saneamento, alimentação adequada, educação para todos, informação, atenção à saúde, entre outros.

Outro perigo está no uso de novas tecnologiasde novas descobertas da ciência sem o conhecimento adequado. Além disso, a introdução de novos hábitos alimentares pouco saudáveis contribuem para o aumento de doenças. Não podemos esquecer que hoje muitas bactérias, vírus e outros agentes que provocam doenças têm mais facilidade de cruzar o mundo em poucas horas. Podemos destacar aqui também o aparecimento de novos produtos, como equipamentos médicos e remédios, por exemplo, que são vendidos nos países sem os necessários cuidados quanto aos seus riscos. Todos esses fatores aumentam muito a exposição das pessoas a perigos de vida e exigem um Sistema Nacional de Vigilância Sanitária eficaz e atuante. O Sistema é composto por órgãos de governo federais, estaduais e municipais de vigilância sanitária, que buscam criar e manter um mundo mais saudável para se viver.

VAMOS REFLETIR:

Este Dicas pretende servir como um importante material de apoio aos voluntários, comunicadores, líderes, articuladores e educadores em saúde para informar e mobilizar a comunidade sobre a importância da Vigilância Sanitária. É muito importante reunir líderes, padres, pastores, Pastoral da Saúde, Associação de Moradores e demais associações locais, Conselhos Municipais para discutir formas de trabalhar em conjunto para levar mais informação sobre a Vigilância Sanitária às famílias da comunidade.

O líderes da Pastoral da Criança fortalecem a atuação da Vigilância Sanitária no Brasil. Como estão bem próximos das famílias, podem orientá-las a identificar situações em que as normas da Vigilância Sanitária não estão sendo cumpridas, como por exemplo com relação à produção, armazenagem e comercialização de alimentos e medicamentos; às condições de higiene de bares, restaurantes, supermercados, padarias, açougues, feiras, farmácias...; à comercialização de produtos clandestinos e os riscos que trazem para a saúde.

Queremos relembrar que o Dicas tem como principal objetivo servir de instrumento de discussão nas Rodas de Conversa e reuniões comunitárias. Por isso, utilizamos o método VER, JULGAR, AGIR, AVALIAR e CELEBRAR. Ele tem por objetivo despertar o senso crítico e a capacidade de perceber os fatos como eles realmente acontecem. A partir disso, a comunidade organizada busca soluções para garantir mais vida e saúde para todos.

PIMEIRO MOMENTO: VER

O momento de VER, relacionado com a Vigilância Sanitária, é conhecer o que é a Vigilância Sanitária e saber qual é o seu papel na família e na comunidade. Algumas orientações sobre o assunto, descritas a seguir, podem ajudar o grupo iniciar a conversa sobre o assunto.

O que é a Vigilância Sanitária? Este nome significa o conjunto de ações capazes de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e de intervir nos problemas sanitários que têm relação com o meio ambiente; produção e transporte de mercadorias; e prestação de serviços de interesse da saúde. A Vigilância Sanitária acompanha todas as etapas e processos dos produtos e dos serviços que a população utiliza e que tem a ver com a saúde, desde a etapa da produção, passando pela comercialização até os efeitos após o consumo.

O que é a Anvisa? A Anvisa foi organizada em 1999 para realizar as ações de competência da antiga Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. A criação da Anvisa permitiu ao Ministério da Saúde enfrentar problemas crônicos na área de saúde e modernizar a Vigilância Sanitária no País. Sua função é promover e proteger a saúde da população. Além disso, a Anvisa exerce o controle de portos, aeroportos e fronteiras e a articulação junto ao Ministério das Relações Exteriores e instituições estrangeiras para tratar de assuntos internacionais na área de vigilância sanitária.

A atuação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está presente praticamente em todos os setores da sociedade, seja mediante atuação direta ou por articulação com o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária. A Anvisa cria regras sanitárias para assegurar tanto a prevenção de doenças e a proteção da saúde dos fregueses de uma barraca de feira quanto a dos usuários de um hospital com tecnologia de última geração. Na verdade, a Vigilância Sanitária está mais presente em nosso dia-a-dia do que muita gente pensa.

Então, em nossas comunidades, vamos ver, vamos prestar atenção nos alimentos, medicamentos, na higiene, na qualidade dos produtos, vamos orientar as famílias para ver se no rótulo das embalagens estão especificadas as exigências da Anvisa, como prazo de validade, data de fabricação, registro, etc... Vamos também ficar atentos aos produtos clandestinos ou ilegais que muitos vendem nos bairros e feiras de nossas cidades, tais como produtos de limpeza (amaciantes de roupa, detergentes, água sanitária, "cloro", etc...). Muitos desses produtos são vendidos em garrafas coloridas e até de refrigerantes, o que pode causar envenenamento de crianças que são atraídas pela garrafa, sem saber o perigo do conteúdo.

Há muitos produtos, lugares e serviços aos quais precisamos estar alertas em nossa comunidade para não comprometermos a saúde. Reúna a comunidade, discuta como ela qual é a realidade da comunidade com relação aos temos ligados à Vigilância Sanitária. Faça um "raio-x" da realidade.

SEGUNDO MOMENTO: JULGAR

Neste momento, convidamos os participantes a confrontar a realidade e os fatos que estão relacionados com a vigilância sanitária, já verificados no momento de VER. É refletir sobre o que está acontecendo e o que poderia ser feito para que não ocorresse mais casos, por exemplo, de contaminação por alimentos estragados ou qualquer outra coisa que comprometa a saúde e que poderia ter sido evitado.

A Pastoral da Criança busca referência para JULGAR a realidade em diferentes documentos como a Bíblia, o Guia do Líder da Pastoral da Criança, a Constituição Federal, as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e do Ministério da Saúde.

TERCEIRO MOMENTO: AGIR

Com base na discussão dos momentos anteriores, no momento do agir o grupo verifica que ações concretas que nascem das propostas podem ser aplicadas na comunidade. Cada participante pode apresentar as ações para prevenir doenças e preservar a saúde, de acordo com as normas da Vigilância Sanitária.

Algumas perguntas podem ajudar a Pastoral da Criança a AGIR:

Que propostas poderiam ser realizadas:
Na família?
Na Comunidade?
No Serviço de Saúde?
No Conselho de Saúde?
Que parceiros podem ajudar em cada ação?
Qual será o prazo para a realização desta ação?
Que recursos são necessários e como conseguir estes recursos?
Quem contactar, a quem recorrer, em casos de problemas nessa área?
Importante: é definir quais as ações são prioritárias e os responsáveis pelo encaminhamento de cada uma delas.

A Pastoral da Criança pode ajudar: Esta parceria entre a Anvisa e a Pastoral da Criança pretende ser um grande mutirão pela vigilância sanitária em nosso país, ou seja, um grande mutirão em defesa da vida, da saúde de nossa população. Os líderes, coordenadores, equipes de apoio, coordenação da Pastoral da Criança, comunicadores e articuladores têm uma contribuição de suma importância nesta ação, pois estão sempre em contato com as crianças e famílias acompanhadas e, por isso, podem orientá-las para que haja mais saúde para todos.

Abaixo, o Dicas oferece algumas sugestões sobre como o voluntário da Pastoral da Criança pode atuar neste mutirão:

Ao fazer as visitas às famílias e pesar as crianças da Pastoral da Criança, cada líder deve conversar com as mães e familiares sobre como está a vigilância sanitária na comunidade. O Dicas sobre o tema poderá ser utilizado nas Rodas de Conversa.

Articular parcerias de trabalho com os agentes dos programas de Saúde da Família e de Agentes Comunitários de Saúde. Convidar agentes da Vigilância Sanitária do município para ajudar a esclarecer as dúvidas da comunidade.

Organizar parceria com outras pessoas e entidades; fazer uma articulação com emissoras de rádio, jornais e outros. Você também pode divulgar as informações sobre a Vigilância Sanitária que estão no Jornal da Pastoral da Criança e no programa de rádio Viva a Vida.

Os articuladores da Pastoral da Criança junto ao Conselho de Saúde e conselheiros devem ser envolvidos nesta luta. Propomos que eles agendem uma discussão sobre o assunto na reunião do Conselho. Além de acompanhar o acesso aos serviços de saúde, os Conselheiros de Saúde devem estar vigilantes para que as normas da Vigilância Sanitária sejam conhecidas e respeitadas.

O objetivo da Pastoral da Criança não é assumir todas as ações propostas nas rodas de conversa. Os líderes já fazem sua parte ao acompanhar crianças e orientar as famílias nos seus direitos e deveres. Por isso, lembre-se que outras pessoas da comunidade pode ser convidadas e, unidas com a Pastoral da Criança, podem somar esforços e dividir responsabilidades.

QUARTO MOMENTO: AVALIAR

Nesse momento verifica-se a satisfação do grupo com as decisões tomadas e discute-se o que pode melhorar para a próxima reunião. Planeja-se também o próximo encontro para avaliar as ações propostas nessa reunião.

Uma pergunta que pode ser lembrada no futuro sobre este assunto: o número de casos de contaminação por alimentos ou de venda de produtos clandestinos ou de problemas com medicamentos, por exemplo, está diminuindo depois de 6 meses ou um ano? E as ações da Vigilância Sanitária estão mais conhecidas e respeitadas na comunidade?

CELEBRAR:

O momento de CELEBRAR é agradecer a Deus pelo precioso dom da vida que Ele nos concede. É partilhar as conquistas com todas as pessoas envolvidas na luta para construir melhores condições de vida para as crianças e suas famílias. O empenho dos voluntários da Pastoral da Criança pode ajudar a esclarecer as pessoas das comunidades sobre a importância da Vigilância Sanitária. Asssim, poderemos comemorar a vitória da saúde, a vitória da cidadania, a vitória da vida!

Qualquer dúvida sobre a Vigilância Sanitária entre em contato com:
Anvisa (Agência Nacional da Vigilância Sanitária) - Assessoria de Relações Institucionais
SEPN 511 Bloco A Edifício Bittar II 4º andar sl. 408B CEP: 70750-541 - Brasília - DF
Telefone: (61) 3448-6380
Fax: (61) 3448-6374
E-mail:Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Página Oficial - O endereço da Anvisa na Internet www.anvisa.gov.br serve de caminho para comunicação da Agência com a sociedade. Nele, a pessoa encontra informações sobre as obrigações da Anvisa . Consulta o registro de produtos e medicamentos, informações sobre rótulos de alimentos, pedidos de registro sendo avaliados, notícias sobre as principais ações do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, telefones de todos os Centros Estaduais e Municipais de Vigilância Sanitária no país, entre outras. Vale a pena conferir!

DICAS


Da Coordenação Nacional da Pastoral da Criança

Às Coordenações de Ramo, Setor, Área, Núcleo, Grandes Metrópoles e Estadual.

JULHO DE 2006 - NÚMERO 37

 

 

Mais que um espaço físico, a Casa Aberta da Pastoral da Criança reflete o gesto de abrir suas portas para as pessoas poderem conhecer o trabalho realizado com as famílias das comunidades acompanhadas.


A idéia é mostrar aos interessados em realizar um trabalho voluntário como funciona a instituição, seus objetivos, suas atividades, seu carisma e seus resultados.

Desta forma, os voluntários podem ter uma visão do todo e saber onde podem contribuir com suas experiências, dons, habilidades ou mesmo recursos materiais ou financeiros, dependendo das necessidades da Pastoral da Criança.

"Há diversidade de dons, mas um só Espírito. Os ministérios são diversos, mas um só é o Senhor. Há também diversas operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. A cada um é dada a manifestação do Espírito para proveito comum."

1 Cor 12, 4-7

Portanto, a Casa Aberta da Pastoral da Criança é um importante instrumento para conquistar mais voluntários e ampliar suas equipes.

Preparando um evento mais consistente também evita que a todo instante a rotina de trabalho seja interrompida por uma visita.

QUEM PODE ORGANIZAR A CASA ABERTA: Coordenações estaduais, de grandes metrópoles, de setor, ramo e comunitária que procuram por novos voluntários e colaboradores para a Pastoral da Criança.

ONDE ORGANIZAR: De preferência num ambiente da Pastoral da Criança, na sede da coordenação. Se não houver espaço, mas pode ser feita numa sala da paróquia, da escola ou de outro local disponível na comunidade que tenha espaço para dispor painéis, cadeiras, uma TV e um vídeo-cassete. O importante é que esse lugar seja fixo e de fácil acesso para o atualizar os dados freqüentemente e receber as pessoas interessadas em conhecer o trabalho.

COMO ORGANIZAR A CASA ABERTA: As informações e os dados da Pastoral da Criança devem ser dispostas numa seqüencia lógica, escritos em cartolina ou outro papel, fixados em paredes ou murais. Letras grandes e pouco texto garantem melhor visualização.

Uma sugestão é usar a seqüencia da apresentação da página da Pastoral da Criança da internet - como nasceu a Pastoral da Criança, missão, estrutura, onde e como atuam os líderes, quem atendemos, etc. O Jornal de Apresentação da Pastoral da Criança, aquele que sai anualmente, também pode servir de modelo. É bom incluir fotografias de líderes fazendo visitas, do dia da Celebração da Vida, das reuniões dos líderes e da realidade das famílias acompanhadas.

É importante mostrar a abrangência nacional da Pastoral da Criança e a abrangência do local, como número de famílias, crianças e gestantes acompanhadas, comunidades, líderes atuantes, etc.

É bom deixar exposto um exemplar de cada material da Pastoral da Criança para uso exclusivo na Casa Aberta: Guia e o Caderno do Líder, FABS, colher do soro caseiro, balança, Cartão da Criança, Laços de Amor, os 10 Mandamentos para a Paz na Família, o Jornal da Pastoral da Criança, os vídeos e o programa de rádio Viva Vida.

As ações complementares - EJA, Controle Social ou Brinquedos e Brincadeiras, bem como as ações ações opcionais - Comunicadores Populares e Geração de Renda, se existirem no local, também precisam ter suas informações à mostra, se possível com materiais e fotos.

COMO DIVULGAR A CASA ABERTA: Aproveitando as reportagens e campanhas da Pastoral da Criança, bem como as rádios locais. A propaganda de boca-em-boca também é útil e para isso você pode contar com párocos, pastores, catequistas, líderes e outros que já conhecem os trabalhos realizados nas comunidades.

Podem ser distribuídos folhetos nas missas, nos postos de saúde, nas escolas, creches e em outros pontos principais da cidade. Fixar cartazes nos postes e nos pontos de ônibus também pode ajudar.

Além do telefone para contato, esses materiais precisam ter um chamado carinhoso que cative as pessoas, por exemplo, PASTORAL DA CRIANÇA - DE CASA E CORAÇÃO ABERTOS PARA VOCÊ!

COMO PROGRAMAR AS APRESENTAÇÕES: A presença do coordenador é importante, mas para não sobrecarregá-lo, ele pode preparar pessoas da sua equipe para fazer as apresentações, alguém que conheça bem a missão da Pastoral e que tenha facilidade de comunicação.

É bom deixar reservado pelo menos um dia da semana para a Casa Aberta (por exemplo, todas as quartas-feiras, as 18 horas ). Algumas pessoas, devido ao trabalho e ao estudo, só podem à noite ou no sábado. A equipe deve se programar da melhor forma possível para atender a todos os interessados.

O tempo ideal de apresentação da Casa Aberta é de 1 hora e 30 minutos. O número ideal de participantes em cada apresentação é 10, para que o coordenador possa dar atenção de qualidade a todos os participantes. Se houver mais inscrições, a coordenação pode marcar visitas em horários diferentes, dependendo da disponibilidade de todos.

Já no primeiro contato, informar a data da apresentação e o tempo de duração. É bom anotar o nome, telefone ou endereço da pessoa interessada, para entrar em contato futuramente.

Seja pessoalmente ou por telefone, o primeiro contato deve ser caloroso pois será decisivo na conquista do voluntário.

DICAS PARA APRESENTAR A CASA ABERTA

  • Começar a apresentação na hora programada. Não é bom deixar as pessoas esperando pois isso pode demonstrar falta de organização.
  • Receber as pessoas com alegria, fazendo uma dinâmica rápida de apresentação.
  • Apresentar o vídeo "A Festa da Vida" e ao final deixar 5 minutos para comentários.
  • Explicar os painéis com calma e esclarecer dúvidas.
  • É importante que os participantes se sintam à vontade para fazer perguntas, mas cuidado para não se alongar nas respostas.
  • Deixar os participantes manusearem os materiais expostos, mas não devem levar nenhum exemplar pois são de uso exclusivo de coordenadores e lideres da Pastoral da Criança.
  • Ao final da apresentação, o voluntário pode assinar o livro de presença.

FIRMANDO COMPROMISSO


Se o participante continuar interessado, programar visita a uma comunidade de acordo com o calendário de atividades local.

Depois de conhecer bem o trabalho, se o voluntário aceitar realmente se engajar na Pastoral da Criança, explicar sobre a Lei do Serviço Voluntário e o Termo de Adesão, pedindo que assine o Livro Ouro.

Se a pessoa deixar para decidir mais tarde se quer ou não se tornar um voluntário, não deixar passar um período muito longo para estabelecer novo contato com ela.


É importante fazer com que o voluntário inicie logo suas atividades e que se crie uma rotina de trabalho dele na equipe. Inclusive a equipe também precisa ser preparada para receber com carinho o novo integrante.


CASA ABERTA X PLANEJAMENTO

A Casa Aberta também pode ser vista como um instrumento de apoio ao planejamento de atividades. A coordenação e sua equipe podem se reunir em torno dela para VER melhor a realidade, PENSAR sobre ela, identificar as fragilidades, AVALIAR as estratégias utilizadas, AGIR para superar os obstáculos, planejar novas estratégias e CELEBRAR as conquistas já alcançadas.

Mônica Flügel Hill

 

19º CÍRCULO

A SOLIDARIEDADE ENTRE AS PESSOAS SALVA MUITA GENTE

A missão profética com a saúde do povo

2Reis 5,1-27

 

Acolhida

 

  • Canto Inicial
  • Criar um bom ambiente. Dar as boas-vindas. Colocar as pessoas à vontade.
  • Invocar a luz dos Espírito Santo.
  • Breve memória do encontro anterior.

 

1. Um fato da Vida que nos faz pensar

Como líder do Ramo Santa Terezinha do Menino Jesus, do Setor Belém-Região Episcopal Menino Deus, numa das visitas, encontramos em uma casa de madeira com um cômodo, coberto por plásticos e papelões, uma senhora doente e uma criança, ambas viviam ali. Dona Josefa, de 55 anos, estava muito doente, teve um derrame que paralisou seus movimentos do lado esquerdo, perna e braço. A criança, Stefanni, tinha 2 anos e chorava muito, de medo, de fome e pelo abandono da mãe que tinha ido embora. Ela vivia o dia inteiro em um carrinho de compras de supermercado e durante a noite dormia ao lado da avó em um colchão que ficava no piso. A família de Dona Josefa morava em Aracaju e seu sonho era voltar para a terra natal.

Como líderes, ficamos de coração partido. Na mesma tarde, conseguimos uns alimentos para resolver a situação momentânea da fome e fomos procurar outras soluções. Minha irmã, que também é líder, se ofereceu para cuidar da criança enquanto Dona Josefa se recuperava. Stefanni conviveu 3 meses com ela, foi encaminhada para o posto de saúde, recebeu as vacinas, alimentação adequada, ganhou peso, brincava com outras crianças, participava da celebração da vida e todos se admiravam como ela estava feliz. As duas, avó e neta, não choravam mais de tristeza, pois a solidariedade dos líderes, amigos e da comunidade foi tanta que conseguimos comprar uma passagem para elas voltarem para a sua terra natal, Aracaju.

Hoje lembramos com saudades desse fato, queremos dizer que Deus faz maravilhas e o espírito de solidariedade das pessoas é capaz de encher oceanos de esperança".

 

2. Um texto da Bíblia que ilumina a Vida

2.1. Introdução à leitura do texto. O texto que vamos meditar hoje mostra o longo percurso percorrido pelo general Naamã para conseguir encontrar a cura para sua enfermidade. Ele só encontra o caminho depois de muitos gestos de solidariedade. Durante a leitura vamos prestar atenção em todas as pessoas que ajudam Naamã a encontrar o caminho para vencer a doença.

2.2. Leitura lenta e atenta do texto: 2Reis 5,1-27.

2.3. Perguntas para a reflexão:

o O que mais chamou a sua atenção neste texto? Por quê?

o Quais as pessoas que ajudaram Naamã a encontrar a cura para sua doença?

o Quais foram as atitudes de Eliseu? E quais foram as atitudes de Giezi?

o Qual a mensagem deste texto para nós hoje?

 

3. Celebrar e partilhar a Vida em forma de oração

Sugestões para a celebração

  • Colocar em forma de oração as descobertas feitas no encontro de hoje. Após cada oração vamos repetir o refrão: Fazei-nos mais solidários, Senhor!
  • Rezar um salmo. Sugestão: o Salmo 38 (37) - Este salmo é uma súplica feita por uma pessoa doente.Prostrada e indefesa, ela eleva a Deus uma prece de confiança.
  • Rezar o Pai-Nosso.

 

4. Voltar para casa e testemunhar a Vida Nova

  • Assumir um compromisso pessoal e comunitário com as pessoas doentes de nosso bairro.
  • Canto Final

 

Preparar o próximo encontro

  • Em nosso próximo encontro vamos encerar este bloco vendo que, em todo o Antigo Testamento, uma criança que nasce sempre será um sinal de esperança que Deus nos dá. O texto de estudo é Rute 4,9-17.
  • Distribuir as tarefas da acolhida e da leitura do próximo encontro.
  • Marcar data e local do próximo encontro.

 

AJUDA PARA O GRUPO

O episódio envolvendo Naamã, Eliseu e Giezi é muito importante quando tratamos de discutir políticas de saúde. Naamã é uma pessoa importante, um general do exército de seu país. Mas mesmo com toda a sua riqueza, ele é impotente diante da doença que consome seu organismo. A doença atinge a todos. Mas nem todos, como Naamã, tem condições de ir para o estrangeiro em busca de cura. O caminho que Naamã percorre para encontrar a saúde lhe é indicado por uma menina israelita que caiu prisioneira numa das guerras que Naamã participou. Esta menina é o primeiro gesto solidário que ele encontra. O profeta Eliseu representa aqueles que praticam a medicina caseira, que acreditam nas soluções simples. Ele não faz nenhum gesto mágico diante do doente. Apenas lhe manda uma receita: vá e lave-se sete vezes no rio Jordão. A receita é tão simples que Naamã se recusa a obedecer. Então um servidor do general faz uma reflexão muito sábia: se Naamã estava disposto a fazer as coisas mais complicadas para recobrar a saúde, por que não fazer as coisas simples? Por fim, Giezi representa todos aqueles que buscam enriquecer com o sofrimento dos outros. Até hoje muita gente quer lucrar com a doença alheia, apontando tratamentos caros e muitas vezes inúteis.