AlimentacaodosbebsQuando se fala em alimentação dos bebês, surgem muitas opiniões e até controvérsias. Uma das grandes preocupações das mães é saber se seu filho está bem alimentado ou não. Por isso, elas ficam inseguras e podem não saber como proceder para alimentar seus bebês de maneira correta. Antes de tudo, é preciso fazer todo o esforço possível para amamentar o bebê exclusivamente com leite materno, até que ele complete seis meses. Depois desse período, o bebê deve continuar mamando, até pelo menos 2 anos de idade, mas novos alimentos devem ser introduzidos. A família deve dar preferência a alimentos saudáveis, frescos e de época. Aqui, diante dessa nova etapa que se inicia na rotina do bebê, três elementos são fundamentais: higiene, diversidade e paciência.

Como a Pastoral da Criança faz:
Leite materno: alimento que transforma a vida

É muito importante o cuidado com a higiene, tanto no preparo dos alimentos, quanto no cuidado com os utensílios a serem utilizados. Diversidade também é necessária: introduzir sempre uma nova fruta, um novo legume ou verdura, para que o bebê passe a conhecer o sabor de diversos alimentos. E, por fim, muita paciência. Não se pode esperar resultados imediatos. Afinal, o bebê está experimentando, conhecendo, e é preciso respeitar o seu tempo e seu apetite. Muitas mães se desesperam, porque dizem que a criança come muito pouco ou nada do que elas prepararam. É preciso ver se não está havendo uma oferta demasiada de alimento ao bebê e aqui também não cabem comparações. Não é porque um bebê come muito bem determinado alimento que outro bebê comerá também.

A comida do bebê deve ser feita à parte da comida dos adultos e em pequenas porções, evitando assim o congelamento ou a armazenagem inadequada do alimento. Com dedicação e amor, esta fase da vida do bebê, de introdução de novos alimentos, pode ser facilmente vivenciada pela família.

Viva a VidaPrograma de rádio Viva a Vida
Programa de Rádio 1198 - 15/09/2014 - Alimentação dos bebês


Esta entrevista é parte do Programa de Rádio Viva a Vida da Pastoral da Criança.
Ouça o programa de 15 minutos na íntegra

Sul

Norte

“O melhor alimento é o leite materno”, confirma Cláudia.

Durante os primeiros seis meses de vida, o bebê se desenvolve tomando apenas leite materno. Mas conforme vai crescendo, suas necessidades nutricionais vão aumentando e chega a hora de começar a dar outros alimentos para o bebê. A entrevista a seguir, com Cláudia Choma Bettega Almeida - nutricionista e professora do curso de Nutrição da Universidade Federal da Paraná - aborda o tema da alimentação dos bebês e tira dúvidas sobre os casos em que a mãe não pode amamentar.

Qual é o melhor alimento para os bebês e quais os principais motivos que levam a mãe a não conseguir amamentar o seu bebê?

O melhor alimento é o leite materno, mas algumas crianças têm um pouco de dificuldade em relação à amamentação, não têm uma pega adequada. Elas precisam abocanhar corretamente a mama da mãe. Se a criança não tem uma pega correta, muitas vezes, ela pega só no mamilo, e isso vai acabar machucando a mãe, levando a fissuras. Às vezes, leva ao ingurgitamento mamário, que é o que a gente conhece como leite empedrado. E dificulta a saída desse leite da mama.

Até os seis meses deve-se evitar o leite de vaca e dar somente o leite de peito?

É isso mesmo: aleitamento exclusivo até os 6 meses de idade. E como é extremamente importante, devemos continuar fornecendo esse leite por pelo menos 2 anos de idade. A partir dos 6 meses, o leite materno já não é mais suficiente pra garantir esse crescimento. Por isso, recomenda-se introduzir os chamados alimentos complementares, que o próprio nome já diz, vêm para complementar esse leite materno.

claudiachomabettegaalmeida ok

Cláudia Choma Bettega Almeida

Cláudia, você poderia explicar como é feito esse processo da introdução dos novos alimentos para o bebê?

Com 6 meses de idade, a gente introduz uma papa de fruta no meio da manhã, uma papa principal na hora do almoço e uma papa de fruta novamente no meio da tarde. No começo, elas devem ser bem amassadas. Na medida em que a criança for crescendo, vai aumentando essa consistência da fruta, sendo amassada, raspada, depois cortada em pedacinhos, até chegar ao momento em que essa criança está consumindo a maçã inteira, a banana inteira e assim por diante. Além das papinhas de frutas, tem que ter um alimento do grupo dos cereais, tubérculos ou massas. Pode ser um arroz, uma polenta, uma batata. Tem que ter uma leguminosa, como feijão, ervilha, lentilha e grão de bico. Tem que ter uma carne. Pode ser um peixe também. O ovo pode ser consumido, a gema e a clara. E, além disso, é muito importante que essas crianças consumam, pelo menos uma vez por semana, vísceras, porque elas têm uma quantidade muito grande de ferro, e como há a probabilidade das crianças desenvolverem anemia nos primeiros dois anos de idade, é muito importante que elas consumam esse tipo de alimento.

Leia a entrevista na íntegra: 1198 - Entrevista com Cláudia Choma Bettega Almeida - Alimentação dos bebês (.PDF)

 

Foto leite: Rusgri | Foto Claudia: Claudia

Leia também

Bebês que não mamam no peito

O bebê completou 6 meses? É hora das papinhas!

Aleitamento materno - um ato de amor

Mais recentes - Bebê