A Visita Domiciliar é o contato mais próximo entre o líder da Pastoral da Criança e as famílias que ele acompanha. Nas visitas, o líder tem a possibilidade de conhecer melhor a família e partilhar conhecimentos e experiências sobre nutrição, higiene, cidadania, gestação, prevenção de doenças e acidentes, educação infantil, entre outros. É nessa ocasião que o líder analisa, junto com a família, o que pode ser melhorado no cuidado com as crianças, na gestação ou no convívio familiar.

A visita às famílias, trabalho desenvolvido por milhares de pessoas em todo o Brasil e também em outros países, acontece a partir do impulso missionário, onde somos chamados a dar nosso testemunho a serviço da vida plena. Para tanto, precisamos sair e ir ao encontro das pessoas; entrar e dialogar; frequentar e acompanhar; e anunciar a Boa Nova encarnada na vida e realidades cotidianas. Saiba mais sobre essa missão aqui

Confira no menu ao lado mais sobre esse encontro mensal solidário com as famílias e porque essa visita é tão importante para melhorar a saúde e a qualidade de vida de nossas crianças e gestantes.

Entrevista com Thereza Kaiser

A Pastoral da Criança é uma rede de solidariedade que tem sua força no voluntariado e atua em todo Brasil com prioridade para as comunidades mais empobrecidas. Trabalha para promover a educação da criança na família, construindo uma cultura de paz no ambiente familiar e comunitário, para garantir a melhoria da qualidade de vida de criança até seis anos e famílias acompanhadas.

São mais de 113 mil líderes comunitários, capacitados no Guia do Líder, que acompanham mais de um milhão de famílias em três atividades básicas: visita domiciliar mensal, celebração da vida e reunião de reflexão e avaliação.

No Brasil, em 2012, foram realizadas 5.007.191 visitas domiciliares mensais. Os líderes visitaram 95,8% das gestantes e 96% das crianças cadastradas. 

Veja abaixo a entrevista de Thereza Kaiser Baptista, assistente técnica da coordenação nacional da Pastoral da Criança, explicando melhor a atividade de visitas domiciliares:

retrato tereza kaiser

Thereza Kaiser Baptista

Thereza o que é a visita domiciliar da Pastoral da Criança?

É a visita que o líder faz em cada casa das famílias cadastradas, uma vez por mês, seja para a criança ou para uma gestante acompanhada.

Por que é necessário visitar as famílias?

Por que é através dessa visita mensal que a líder passa informações e coleta alguns dados que são repassados depois, através das Folhas de Acompanhamento Básico de Saúde (FABS), para a Pastoral da Criança. A visita do líder da Pastoral da Criança leva conhecimento, educação e cidadania às famílias.

O que é feito nessa visita?

Nessa visita domiciliar o líder vê a criança (quando é visita para a criança), ele a observa, acompanha como esta o crescimento, o desenvolvimento e verifica a carteirinha de vacina da criança. Conversa com a mãe se a criança está se desenvolvendo bem, se está normal para a idade dela. E isso tudo a líder faz orientada através do Guia do Líder.

Leia a entrevista na íntegra: 1148 - Entrevista com Thereza Kaiser - Visita às famílias (.PDF)

Esta entrevista é parte do Programa de Rádio Viva a Vida da Pastoral da Criança.
Ouça o programa de 15 minutos na íntegra

1148 - Visita às famílias - 07/11/2016

Sul
 
Norte
 

Dicas para os líderes

O Jornal da Pastoral da Criança é uma publicação mensal que auxilia os líderes em seu trabalho. Confira abaixo algumas informações para a Visita domiciliar que foram publicadas no Jornal da Pastoral da Criança.

Jornal 199 - Atividades do Líder - Visita domiciliar 1 (Publicado em Junho 2013)

Olá, lider, O lema da Campanha da Fraternidade deste ano parece ter sido feito também para vocês, líderes. Vocês que, ao terminarem a capacitação no Guia do Líder, se comprometem e são enviadas para, com sua ação e seu exemplo, ajudar na construção do reino de Deus aqui na terra. Cada atividade que fazem no mês: Visita Domiciliar, Celebração da Vida, Reunião de Reflexão e Avaliação - RRA renovam o exemplo de Jesus, que veio nos mostrar que o amor a Deus se demonstra também com o amor ao próximo. Leia mais...

Jornal 200 - Atividades do Líder - Visita Domiciliar 2 (Publicado em Julho 2013)

Olá, estamos de novo com vocês para continuar nossa conversa sobre Visita domiciliar. Hoje, vamos conversar sobre uma visita que foi acompanhada em uma comunidade.

Era a primeira visita em uma casa onde duas líderes encontraram uma avó cuidando dos netos, pois a mãe tinha ido embora e o pai estava preso por envolvimento com drogas. A avó já tem certa idade e não trabalha fora. O avô trabalha na construção civil. As crianças, uma menina de dois anos e um menino de cinco anos, ficam em casa o dia todo, pois na comunidade não existe uma instituição de educação infantil que atenda creche e pré-escola. A avó comentou que estava bastante cansada, pois tinha que fazer todo o trabalho da casa e ainda cuidar dos netos. Contou também que, uma vez no mês, leva as crianças ao presídio para visitarem o pai e elas voltam muito tristes. Leia mais...

Jornal 201 - Atividade do líder - Visita Domiciliar 3 (Publicado em Agosto 2013)

 Tenho ainda outras ovelhas, que não são deste redil; também a essas devo conduzir. E elas escutarão a minha voz ... Jo 10,16

Olá lideres! No mês passado relatamos aqui uma visita feita a uma família com crianças que viviam um dia a dia difícil. No final do relato, fizemos uma reflexão sobre o papel do líder e finalizamos reforçando que antes de tudo um líder da Pastoral da Criança deve agir como um Pastor. Vocês pensaram sobre isso? Como está o seu Agir? Vocês acham que estão conseguindo ser um Líder-Pastor? Leia mais...

Jornal 202 - Atividades do líder - Visita domiciliar 4 (Publicado em Setembro 2013)

Olá, líderes. Nos meses anteriores conversamos sobre a visita domiciliar, onde relatamos visitas realizadas por alguns de nossos líderes voluntários a crianças e gestantes. Hoje, vamos continuar nossa reflexão sobre visitas e Mutirão em Busca das Gestantes. Sabemos das grandes conquistas que vocês têm durante estas atividades, mas também sabemos das dificuldades e situações pelas quais vocês, líderes, muitas vezes se defrontam, como por exemplo, quando acontece o Mutirão em busca das Gestantes e vocês conversam sobre o trabalho da Pastoral da Criança com uma gestante e perguntam se ela gostaria de ser acompanhada pela Pastoral da Criança. Muitas vezes, a pergunta que ela faz é: o que vou ganhar com isso? Roupinha para o bebê, banheirinha? Ou outra coisa. E quando vocês respondem que a Pastoral não faz esse tipo de doação, muitas vezes recebem como resposta: "Então não quero participar". Leia mais...

Perguntas Frequentes:

Qual a importância da visita domiciliar?

A visita é muito importante, porque é a oportunidade do líder saber com a família está, quais são suas preocupações, seja com a criança, seja com outras questões que estão enfrentando. Portanto, é na visita, que o líder tem uma maior aproximação com a família, para saber como melhor orientá-la.

Com que frequência se realiza a visita domiciliar?

Essa atividade é mensal. realizada pela líder.

Como me torno um líder da Pastoral da Criança?

Primeiramente, é importante ter um compromisso com o trabalho voluntário, porque o líder precisa realizar algumas atividades, começando pela disponibilidade em participar de um capacitação para conhecer a metodologia de trabalho da Pastoral da Criança. A partir daí, vocẽ mesmo vai percebendo que outras questões aparecem como motivação, como se sentir chamado pelo próprio Cristo a se colocar a serviço das crianças, gestantes e famílias que precisam de sua orientação. Veja mais informações aqui.

A visita domiciliar pode ser realizada na creche?

Não. O líder deve fazer a visita domiciliar mensalmente na casa ds famílias das crianças cadastradas, para conversar sobre o peso, o crescimento e os demais indicadores do desenvolvimento de cada criança e da gestante. Somente na visita domiciliar mensal é que o líder consegue observar alguns indicadores de risco para a saúde da criança e se ela vive num ambiente que favorece o seu desenvolvimento.

Mas como acompanhar crianças que frequentam a creche?

Coordenadores e líderes sabem que o espaço de trabalho da Pastoral da Criança é a comunidade. Sabem também que, para realizar um trabalho de qualidade nessas comunidades, a proposta é que cada líder acompanhe no máximo 15 crianças. A creche, assim como qualquer outro local da comunidade, pode servir de espaço para as celebrações da vida, desde que:

1) A visita domiciliar seja realizada na casa da criança

2) O dia e o horário escolhidos para a Celebração da Vida possibilitem a presença de  pessoas das famílias das crianças que estão na creche; preferencialmente que aconteça no sábado ou domingo, onde somente as crianças cadastradas e familiares participarão.

3) Todas as tarefas realizadas na organização do Dia da Celebração da Vida sejam previamente combinadas entre os líderes  e  familiares das crianças.

Para acompanhar todas as crianças de 0 a 6 anos da creche, é preciso ter líderes capacitados suficientes. Por isso, é importante que o coordenador paroquial e/ou comunitário realize ações na comunidade para sensibilizar líderes. Mesmo na creche, o número de crianças cadastradas na Pastoral da Criança não deve ser maior do que 15 crianças por líder. 

Como fazer se tem crianças de outra comunidade na creche?

Se a creche possui crianças que são de outras comunidades, é necessário que o coordenador paroquial verifique se há Pastoral da Criança nessas comunidades, se essas crianças já estão sendo visitadas e acompanhadas por outros líderes para que não aconteça duplicidade de crianças nas FABS das duas comunidades. Se ainda não houver, é uma boa oportunidade para motivar essas comunidades a iniciarem a Pastoral da Criança

Como fica o acompanhamento das crianças  pelos líderes que também são agentes comunitários de saúde?

Há várias diferenças entre a proposta de trabalho dos líderes da Pastoral da Criança e a dos Agentes Comunitários de Saúde, uma vez que seus objetivos e clientela não são iguais. Mas, em muitas comunidades, o Agente Comunitário de Saúde é também Líder da Pastoral. É preciso saber como realizar essas duas tarefas com qualidade, sem prejuízo para nenhuma das duas ações. O líder da Pastoral da Criança acompanha até 15 crianças. Cada Agente Comunitário de Saúde acompanha em média 150 famílias. Nem todas essas 150 famílias possuem crianças. Mas, digamos que, entre as que acompanha, o agente, que também é líder, encontre por exemplo 80 crianças de 0 a 6 anos. É preciso que o Coordenador Paroquial ou Comunitário converse com o líder para verem juntos quais dessas 80 crianças ele vai cadastrar na Pastoral da Criança. Os casos mais urgentes devem ser priorizados e um acompanhamento contínuo deve ser feito com essas famílias, mensalmente. O dia da Celebração da Vida deve acontecer mesmo que o agente comunitário na sua visita mensal já pese a criança, pois o dia da Celebração da Vida não se resume no peso, mas num encontro fraterno entre as famílias e lideres.

Então as outras crianças ficam sem acompanhamento?

Para que todas as crianças de 0 a 6 anos atendidas pelo Agente Comunitário de Saúde possam ser acompanhadas também pela Pastoral da Criança, a Coordenação Paroquial e a Coordenação Comunitária precisam realizar ações para encontrar novos líderes nessa comunidade. Este acompanhamento significa: fazer a Visita Domiciliar da Pastoral da Criança, reunir as famílias para a Celebração da Vida e participar das Reuniões para Reflexão e Avaliação para conversarem sobre a situação das famílias das crianças que acompanha.

A comunidade ganha com estas visitas domiciliares?

A Pastoral da Criança, quando une esforços em benefício das famílias, com certeza, está melhorando a qualidade de vida. Isto traz resultados concretos de fé para que todos tenham vida em abundância.

Como a Pastoral da Criança faz

Dra. Zilda

“A visita domiciliar é um instrumento de educação. Quando a gestante recebe a visita ou então a mãe, a vó ou a família da criança, a visita deve ser como a que Maria fez a sua prima Santa Izabel: cheia de paz, e amor. Então vamos visitar para partilhar a solidariedade e o conhecimento que todas as líderes tem. Como cuidar melhor das gestantes e das crianças para que se desenvolvam com saúde, alegria, saúde mental e principalmente espiritualidade. Assim a vivemos muito feliz e fazemos os outros felizes tambem. Um carinhoso abraço pra todos, que Deus vos acompanhe.”

Papa Francisco

“Encontrar as pessoas faz bem, porque o Senhor trabalha em cada um de nós, trabalha no coração, e a riqueza do Senhor é tão grande que sempre podemos receber muitas coisas bonitas dos outros. (28 de Julho de 2013)”.

Testemunhos

"O objetivo da visita domiciliar é conhecer a realidade da vida das crianças discutindo com os pais assuntos de seu interesse, como pré natal, cuidado na gestação, alternativas alimentares, parto, aleitamento materno, soro caseiro, vacinação e também o dia da Celebração da Vida."

Ana Lucia da Silva Carvalho de Souza – Umaitá / Rondônia

“É uma alegria imensa trabalhar com as famílias. As vezes saio para fazer as visitas meio que desanimada ou cansada, mas quando chego a primeira casa e vejo aquele sorriso lindo e olhar feliz daquela mãe que abre a porta para me receber, esqueço todo desanimo e cansaço e aí sigo feliz na caminhada, de casa em casa, subindo e descendo escada. No final penso que valeu a pena aquelas horas que dediquei ir ao encontro daquelas famílias. Temos que ir ao encontro levando o amor e a alegria para todos, pois vejo que cada um que nos recebe manifesta através do olhar a satisfação em nos receber.”

Geralda , Ramo Dulce dos Pobres – Belo Horizonte / Minas Gerais

“A Pastoral da Criança promove e salva não só a família carente, a gestante e a criança, mas também a vida dos líderes, de pessoas com que com uma simples visita às famílias, acha que está fazendo o bem só para seu próximo, mas na verdade esta fazendo um bem a si mesmo. Comigo aconteceu uma transformação e cada dia que passa eu confirmo meu compromisso com Deus e tenho consciência que preciso fazer muito mais. A Pastoral da Criança é o alimento da minha alma. Preciso continuar nesta missão”

Raimunda de Oliveira e Silva, líder em Teresina / Piauí

Nossas histórias

Líderes visitam famílias em busca de mais crianças e gestantes

Líderes da cidade de Arcoverde (PE), realizaram visitas no conjunto Novo Arcoverde, no bairro São Cristóvão, com o objetivo de identificar novas crianças e gestantes, que ainda não são acompanhadas pela Pastoral da Criança. Durante a visita, brinquedistas da Pastoral da Criança acompanharam os líderes, animando o motivando novas famílias para serem acompanhadas. A receptividade foi muito boa e oito novas crianças foram cadastradas e começaram a receber o acompanhamento dos líderes da Pastoral da Criança.

É tempo de mutirão em busca de novas gestantes

Colaboração: Luiz Carlos de Andrade

   

Líder conhece mais sobre as famílias visitadas

Vera Lúcia Lopes da Silva,  líder e coordenadora da comunidade Valentim II, do ramo São Francisco de Assis, em Valença do Piauí (PI), todos os meses visita as famílias da sua comunidade, conversando, orientando e colhendo mais informações sobre as crianças e gestantes que acompanha. Ela também aproveita o momento da visita para convidar as famílias para participarem da celebração da vida mensal.

Líder enfrenta distância para visitar as famílias acompanhadas

A líder Ronalda Josefa dos Santos mora na cidade de Fronteiras, no sul do estado do Piauí, distante 450km da capital Teresina. Sua animação e disposição é exemplo para todos os demais líderes da comunidade.

Mensalmente Ronalda visita as famílias da sua comunidade utilizando uma moto. Ela utiliza o veículo para vencer as longas distâncias e poder fazer o acompanhamento mensal das famílias cadastradas. A coordenadora do setor de Picos, Maria Dulcinéia de Sousa, elogia a atuação da líder, “Ronalda é um exemplo de disposição e animação no trabalho da Pastoral da Criança. Ela acompanha diversas famílias na localidade Serra dos Caboclos, sempre com um sorriso e muita alegria”.

55º Objetivo de Desenvolvimento Sustentável

“Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas”.

Na Pastoral da Criança, o cuidado com a mulher, tanto como gestante quanto como mãe, é essencial e de extrema importância para que o desenvolvimento da criança seja bem sucedido. Sempre reforçamos, também, a importância da família e, principalmente, do pai no cuidado com a gestante e com a criança. Todos são responsáveis pela vida que está sendo gerada, e devem dedicar amor e carinho tanto com a mãe quanto com o bebê.