gestante 1000 dias

 Foto: Bruno Bralfperr

A Organização Mundial de Saúde (OMS) preconiza algumas atitudes por parte dos profissionais na assistência ao pré-parto, parto e pós-parto. Ressalta também os direitos da mulher para um parto humanizado com base nesses direitos.

Atitudes do profissional de saúde:

- Respeitar a vontade da mulher de ter um acompanhante de sua escolha durante o trabalho de pré-parto e parto;
- Monitorar o bem-estar físico e emocional, durante todo o processo de atendimento;
- Responder as informações e explicações solicitadas;
- Permitir que a mulher caminhe durante o período de dilatação a adote a posição que deseja no momento de expulsão;
- Orientar e oferecer métodos de alívio da dor durante o trabalho de parto, como massagens, banho morno e outras técnicas de relaxamento;
- Permitir o contato pele a pele entre mãe e criança e o início do aleitamento materno, imediatamente após o nascimento;
- Em relação específica aos serviços: possuir normas de procedimentos e monitorar a evolução do parto pelo partograma, oferecer alojamento conjunto e estimular o aleitamento materno.

Direitos da mulher:

- Estar acompanhada durante o trabalho de pré-parto e parto, por alguém de sua escolha;
- Conhecer a identidade do profissional;
- Ser informada pelos profissionais sobre os procedimentos que serão realizados com ela e com seu filho;
- Receber líquidos e alimentos durante o trabalho de parto, sem excessos;
- Caminhar e fazer movimentos durante o trabalho de parto;
- Receber massagens ou outras técnicas relaxantes;
- Tomar banhos mornos;
- Adotar a posição que desejar na hora da expulsão;
- Receber o recém-nascido na hora de amamentar, imediatamente após o parto;
- Ser chamada pelo nome.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda ainda que procedimentos que já são considerados como danosos ou ineficazes – tricotomia (raspagem dos pelos), episiotomia (corte no períneo), enema (lavagem intestinal feita através de sonda retal), cateterismo venoso, jejum, ruptura precoce de membranas e monitorização eletrônica fetal) não sejam feitos rotineiramente.

Sinais de pré-trabalho de parto:

Algumas semanas antes do parto, o corpo da gestante passa por transformações para se preparar para o parto:

- O bebê se posiciona mais para baixo na barriga da mãe, o que causa pressão na parte de baixo da barriga, às vezes, acompanhada de dor nas costas;A barriga fica dura mais vezes - são as contrações, que antes eram fracas, sem dor, e agora passam ser mais fortes;
- Secreções vaginais em maior quantidade, às vezes, de cor mais rosada, aparecem por causa do rompimento de algumas veias. Isso é causado pela descida do bebê, se posicionando para o nascimento;
- Rutura da bolsa de água: acontece a saída de líquido amniótico pela vagina, devido à ruptura das membranas que envolvem o bebê. O líquido pode sair aos poucos, lentamente, ou repentinamente e em grande quantidade. Normalmente, o líquido é claro e transparente. Nesta situação, a mãe deve ir ao hospital mais próximo ou à maternidade a que está vinculada desde o pré-natal;
- Nos últimos três meses de gravidez, a gestante deve evitar o trabalho pesado. Quando ela faz trabalho pesado e se cansa muito, o bebê pode até nascer antes do tempo. Mas fazer trabalhos leves e exercícios ajuda no parto.

Leia também
Parto natural, normal ou cesárea: entenda as diferenças e recomendações
Parto normal: a melhor opção


Mais recentes - Gestação