teste do pezinho

Foto: Razal Pareed

Uma picadinha no calcanhar e algumas gotinhas de sangue. Em seguida pode até ter um chorinho, mas os benefícios que o Teste do Pezinho traz para as crianças compensam aqueles minutos que os pais ficam com o coração apertado pelo choro do filho. “Esse exame é importante pela precisão, ao identificar algumas doenças, como a anemia falciforme”, lembra a enfermeira da coordenação nacional da Pastoral da Criança, Regina Reinaldin. Além da anemia, o exame identifica ainda a fenilcetonúria, o hipotireoidismo congênito, a fibrose cística, hiperplasia adrenal congênita e deficiência de biotinidase. 

Nesta segunda-feira (6 de junho), é comemorado o Dia Nacional do Teste do Pezinho. A intenção é alertar para a importância do teste que impede que as crianças desenvolvam várias doenças graves ao longo da vida. Apesar de ser aplicado desde a década de 1970, foi em 1992 que o exame se tornou obrigatório a todos os recém-nascidos no país.

Oferecido gratuitamente, o teste é, geralmente, realizado ainda na maternidade, antes da alta da mãe e do bebê, 48 horas depois do nascimento e depois de ter recebido o leite materno. “Por isso, a alta acontece depois desse período. Em alguns casos que [mãe e filho] saem antes, o exame pode ser feito no Posto de Saúde”, explica Regina. O teste deve ser feito até o 5º dia de vida e, se alguma doença for identificada, o tratamento deve começar antes que o bebê complete um mês.

Conheça algumas doenças identificadas pelo Teste do Pezinho:

Fenilcetonúria: Causada pela deficiência no metabolismo do aminoácido fenilalanina. O acúmulo no organismo pode causar deficiência mental;
Hipotireoidismo congênito: Causada pela insuficiência do hormônio da tireoide. A falta de tiroxina pode causar retardo mental e comprometimento do desenvolvimento físico;
Anemia falciforme e outras hemoglobinopatias: Alteração da hemoglobina que dificulta a circulação, podendo afetar quase todos os órgãos. Pode causar anemia, atraso no crescimento e dores e infecções generalizadas;
Fibrose cística: Ocorre aumento da viscosidades das secreções, propiciando as infecções respiratórias e gastrointestinais. Ataca pulmões e pâncreas. É incurável.