Febre Amarela mosquito
Imagem: Ministério da Saúde

2017 começou com mais um desafio para a saúde pública brasileira, que exige muita atenção da população e também tem a ver com transmissão por mosquito. Está crescendo o número de pessoas atingidas pelo vírus da febre amarela. Somando os casos registrados no país só em janeiro, este já é o ano com mais mortes pela enfermidade nesta última década (de acordo com dados disponíveis no Ministério da Saúde).

Febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos que podem durar até três dias estão entre os sinais e sintomas mais comuns da febre amarela. Quando a doença se manifesta de maneira mais grave, também podem ocorrer icterícia (olhos e pele amarelados), insuficiências hepática e renal, hemorragias e muito cansaço.

Saiba mais: Entrevista - Febre amarela está relacionada à falta de investimentos sociais

Vacina

A vacina contra febre amarela apresenta eficácia acima de 95% e é a melhor maneira de se proteger. No Brasil, é produzida pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos, desde 1937, com vírus vivos atenuados. Considera-se que duas doses da vacina garantem proteção para a vida toda.

De acordo com o Portal da Saúde, do Ministério da Saúde, “a vacinação contra a febre amarela é recomendada para uma grande área do Brasil onde a transmissão é considerada possível, principalmente para indivíduos não vacinados e que se expõem em áreas de mata, onde o vírus ocorre naturalmente. A vacina está recomendada nas ações de rotina dos programas de imunizações (Calendário Nacional de Vacinação), e deve ser aplicada em residentes da Área Com Recomendação de Vacina (ACRV) e em viajantes que se deslocam para essa área”.

Vale lembrar que a imunização deve ocorrer dez dias antes de ingressar em área com risco de transmissão. Em caso de dúvida sobre a necessidade ou não de tomar a vacina, consulte o serviço de saúde de sua cidade.

Confira a lista de municípios com recomendação de vacina (pdf).

Orientação da Pastoral da Criança

A equipe técnica da Pastoral da Criança ressalta a importância da divulgação desta informação, principalmente para as pessoas que viajarão para as áreas de risco. Por isso, recomenda-se que, antes de viajar, consultem se a cidade de destino faz parte da lista com recomendação de vacina.

Durante as visitas domiciliares às crianças e gestantes acompanhadas em comunidades Brasil afora, a importância do esquema de vacinação é um dos temas abordados pelos voluntários da Pastoral da Criança, que o possuem em seus materiais educativos e observam se a aplicação das doses necessárias estão em dia, conforme a faixa etária ou o período de gestação.

Veja o calendário completo de vacinação.

febre amarela