Pai com filhos no campo

Foto: Prostooleh / Freepik

Comemorado no segundo domingo de agosto, o Dia dos Pais nos leva a celebrar essa figura tão importante, que é sinônimo de dedicação, cuidado, amor e proteção com o futuro e também, a refletir sobre o papel da paternidade na vida dos filhos e da sociedade.

Para entender melhor as mudanças do papel do pai na vida de seus filhos, confira a entrevista com o Prof. Marcos Meier, mestre em educação, psicólogo e escritor.

Hoje em dia, vem surgindo um novo tipo de pai?

Viva a VidaPrograma de rádio Viva a Vida
1349 - 07/08/2017 - Dia dos pais


Esta entrevista é parte do Programa de Rádio Viva a Vida da Pastoral da Criança.
Ouça o programa de 15 minutos na íntegra

Sul

Norte

Eu acho que sim. Antigamente, a figura do pai era aquela que dava uma olhada séria, a gente se borrava de medo (risos), já saía de perto, baixava cabeça, pedia desculpas até. E hoje, os pais estão mais conscientes de que é importantíssimo ser afetivo, tem que ter mais contato com a criança, ser mais carinhoso, mais legal com ela, conversar, ouvir. Então, essa interação, em geral, os pais estão tendo de uma forma melhor.

E hoje, a gente sabe que não basta o exemplo, não é? O que mais o pai, então, precisa fazer?

O exemplo, quando ele é negativo, qualquer coisa errada, eles imediatamente aprendem e vão repetir. Agora, o exemplo positivo não é aprendido de uma forma tão rápida. Nos exemplos positivos, a gente tem que explicar pra criança porque a gente está fazendo aquilo. Então, você mostra qual é o princípio que está por trás dos exemplos positivos.

O que é paternidade responsável?

Marcos Meier

Prof. Marcos Meier

Paternidade responsável é o equilíbrio. Vamos imaginar uma balança de dois pratos. Quando a gente deixa essa balança equilibrada, é a melhor paternidade possível, o melhor jeito de ser pai. Como é que a gente faz isso? Num lado da balança, a gente coloca o afeto, carinho, beijo, abraço, conversa, ouvir a criança, prestar atenção no que a criança está falando, brincar junto com ela. Então, vamos chamar esse prato de afeto. Tem que ter bastante coisa nesse prato. Então, vai pesado esse prato. Aí, no outro lado da balança, você coloca a autoridade. Então, são os limites que você coloca, as regras: “Não minta, respeite as pessoas, não xingue, não fale palavrão, ajude em casa, ajude nas tarefas domésticas, vá bem na escola”. Então, há a autoridade. Quando você tem bastante autoridade e bastante afeto, você equilibra essa balança. É o melhor tipo de pai que existe no mundo. Todas as crianças que têm pais que equilibram com afeto e com autoridade crescem com maturidade emocional, vamos assim dizer, pessoas de bem, pessoas legais, pessoas saudáveis emocionalmente.

E pra finalizar, professor Marcos, qual é a sua mensagem para o Dia dos Pais nessa semana tão especial em que comemoramos o dia deles?

Você é muito importante pra vida do seu filho. Equilibre afeto com autoridade e passe a ser referência pra ele pro resto da vida. Um grande abraço a todos os pais e a todas as famílias.