gestante pressao altaInchaço nos pés, mãos e rosto. Dor de cabeça. Estes são alguns dos sintomas da pré-eclâmpsia, a pressão alta gestacional. Há ainda os casos de mulheres que não apresentam sintoma nenhum, daí a importância em sempre medir a pressão e acompanhar qualquer alteração.

Os líderes sabem da importância de ter um cuidado especial com essas mães, por isso, assim que a doença é identificada, uma série de orientações e cuidados passam a acontecer. A principal delas é a diminuição do sal nos alimentos. A Pastoral da Criança cuida principalmente da alimentação: o que pode e não pode comer”, explica Rosane Duarte Guimarães, coordenadora da Pastoral da Criança na Paróquia São José Operário, de Curitiba (PR).

Há sete meses, Rosane acompanha uma gestante com pressão alta. O acompanhamento iniciou logo que a mulher descobriu que estava grávida, aos dois meses. “Ela tem um sobrinho que é acompanhado, e logo que soube que estava grávida, ela mesmo nos procurou”, conta. A preocupação da mãe não foi à toa: além de poder causar o parto prematuro do bebê, a pré-eclâmpsia pode trazer complicações para a gravidez e no momento do parto, podendo causar até a morte da mãe e do bebê.

Dra. Zilda

“A Pastoral da Criança entende que é preciso cuidar das crianças desde antes de nascer, acompanhar e ajudar as famílias a cuidarem o melhor possível dos seus filhos”.

Papa Francisco

“Uma família iluminada pelo Evangelho é uma escola de vida cristã. Nela se aprende fidelidade, paciência e sacrifício”.

A pressão alta pode prejudicar a criança durante a gestação, influenciando na nutrição, por exemplo, já que a criança irá receber uma quantidade menor de sangue enquanto está na barriga em consequência da pressão da mãe. Entre os fatores de risco para a mulher apresentar a pré-eclâmpsia estão a diabetes, obesidade, gravidez depois dos 35 anos e antes dos 18 anos, entre outros.

Trabalho conjunto

Rosane afirma que o trabalho é feito em conjunto com a Unidade de Saúde – que cuida e acompanha a saúde da gestante; com o hospital onde a gestante terá o parto“por se tratar de uma gravidez que exige cuidados, elas já são encaminhadas a hospitais que tem recursos para atendê-las”, explica, e com a Pastoral da Criança, que incentiva o cuidado, dando orientações sobre a alimentação da mãe e sobre o momento do parto. “No caso de uma mãe com pressão alta, sempre falamos para não esperar muito. Na cartela Laços de Amor, elas tem as orientações sobre como saber que o parto está próximo, então falamos para o hospital assim que perceberem que está chegando a hora”, diz.

Outro cuidado indicado para estas mulheres é estar sempre acompanhada por alguém, especialmente ao sair de casa e nunca esquecer da alimentação. “A gestante que eu estou acompanhando está quase ganhando neném, que também está muito bem. Ela sempre fala que tem vontade de comer as coisas, mas eu lembro que agora falta pouco e isso é pelo bem dela e da criança”, relata Rosane.

 

Mais recentes - Missão