Variedade de quitutes, danças embaladas pelas quadrilhas, vestimentas e adereços coloridos, brincadeiras em torno da fogueira e muito mais. Tudo isso faz parte das festas juninas (e julinas), uma tradição da cultura popular que busca valorizar a alegria do homem do campo e celebrar a convivência em comunidade.

Sobre este assunto divertido e a importância dessa festa popular que acontece em todo o Brasil, confira a entrevista com a assistente técnica da coordenação nacional da Pastoral da Criança, Erica Hobold.

Para começar, o que não pode faltar em uma festa junina?

Tem a fogueira, a decoração com bandeirinhas e com balão, casamento caipira, comidas, bebidas, músicas típicas, danças, quadrilhas, jogos, brincadeiras, corridas de saco, jogo de argola, pescaria, pau de sebo. É muita coisa.

Erica Hobold entrevista

 Erica Hobold - Assistente técnica da Pastoral da Criança

Qual é o sentido original da festa junina?

A festa junina vem de um tempo bem antigo, lá do tempo dos romanos. Depois que as pessoas tinham colhido as coisas no campo, elas faziam uma festa pra agradecer a colheita. Mais tarde, essa história passou também a homenagear três santos: São João Batista, São Pedro e Santo Antônio.

Hoje, fala-se muito no resgate das manifestações populares, folclóricas, culturais. Em que a festa junina pode ajudar nesse sentido?

A gente poderia aproveitar a festa como uma oportunidade, um resgate cultural folclórico de muitas danças, muitas músicas daquela convivência gostosa, daquele sentimento de estar junto. E também ver o quanto as crianças podem aprender nessa festa. Podemos lembrar um pouquinho da história de cada coisa que acontece na festa junina, o porquê desta comemoração, porque tem bandeirinha, quadrilha, esse tipo de música e comida. Fazer esse resgate do que acontece na festa junina é importante para ela ter sentido, porque é uma manifestação popular, mas vem se perdendo ao longo do tempo. Se a gente preservar esse conhecimento, eu acredito que a festa vai ficar bem rica.

Como podemos envolver as crianças e os jovens na preparação de uma festa junina?

Um grupo fica responsável pela alimentação, outro grupo pelas brincadeiras, o outro pelas comidas, pelas bebidas. Isso envolve a comunidade, crianças e jovens. E a comunidade se sente pertencente àquela atividade. E vai participar.

E como a escola pode relacionar essa festa ao seu conteúdo didático?

O próprio folclore e a história das festas são um instrumento riquíssimo para os professores estudarem pesquisas, textos. Por exemplo, fazer um resgate histórico das festas na comunidade, fazer com que os alunos saiam na rua perguntando para os avós e tios como eram as festas antigamente e produzam textos. Também nas receitas, a gente pode trabalhar medidas, quantidades, abordando a matemática. Na educação física, tem as danças, mexendo o corpo, se exercitando. São opções infinitas dentro da escola.

Como a Pastoral da Criança faz

Como é a Festa Junina em sua região?

A festa junina valoriza principalmente o brincar, não é mesmo?

Uma das tradições da festa junina são as brincadeiras. Então, a gente tem a pescaria, boca do palhaço, corrida de saco… São muitas brincadeiras e os jogos juninos são uma diversão para toda a garotada. E a brincadeira não deixa de ser uma maneira de transmitir os valores de cidadania para as crianças, o que é muito importante nessa participação.

Como podemos estimular a participação da família nessa festa?

Inicialmente, levando aquela criança, acompanhando-a nas atividades e também ajudando na organização. Eu acho que todo segredo é esse: ajudando na organização, você se sente mais comprometido com aquela festa e acaba participando. Aí fica bem divertido.

Por que as festas estão deixando de ser eventos da comunidade para se tornarem apenas um feriadão ou um evento particular?

A comunidade às vezes não se sente envolvida naquela festa, não participou, não se envolveu. Então, a família prefere usar aquele feriado para ir viajar, fazer outra coisa. A festa junina poderia ser uma oportunidade para a gente resgatar a vida na comunidade.

E quais são os aspectos perigosos que deveriam ser evitados na festa junina?

São os excessos, porque a festa tem bastante coisa legal, divertida, bonita. Mas, quando aquilo que a gente está fazendo é feito em excesso, pode acontecer algum acidente, com balão, brincadeira com fogos... Temos que ter algumas precauções antes de fazer essas brincadeiras. Tomar todo o cuidado possível com fogo, com bebida. Acho que essas duas coisas principalmente, que são as que mais acontecem nessa época. Todo cuidado para que a gente tenha um momento de celebração mesmo, e não precise depois estar correndo para o hospital pra ver o que aconteceu.

Esta entrevista é parte do Programa de Rádio Viva a Vida da Pastoral da Criança.
Ouça o programa de 15 minutos na íntegra

1237 - 15/06/2015 - Festas Juninas

Sul
 
Norte
 

 

Mais recentes - Missão