abaetetuba art

Visita à gestante

A casa de Maria Aparecida Figueiredo, em Belo Horizonte (MG), abriga três gerações de mulheres acompanhadas pela Pastoral da Criança: Maria Aparecida (41 anos), sua caçula Mariana (1 ano e meio), sua filha adolescente Débora (que aos 12 anos ficou grávida) e sua neta Alice (hoje com 6 meses de idade).

Mãe e a filha adolescentes a princípio rejeitaram a ideia da gravidez. Mas com a ajuda da Pastoral da Criança, através de uma líder muito presente, elas agora estão felizes com as suas meninas. "Com a Pastoral da Criança é que eu aprendi que também é bom ser mãe", afirma Débora, que entrou em depressão quando teve certeza de estar grávida, já com três meses de gravidez. Débora achava que os enjoos eram por conta de comida estragada e sofreu muito com o parto. "Alice nasceu com 4 quilos e 54 centímetros e tive de ficar 5 dias no hospital para me recuperar. Em casa, fiquei muitos dias de cama", lembra.

Débora está aprendendo a ser mãe e a Pastoral tem ajudado muito em suas dúvidas e medos. Foi graças a esse auxílio, segundo ela conta, que fez o pré-natal, acompanha o cartão de saúde do bebê e continua descobrindo que "ser mãe tem também um lado muito bom".

Acompanhamento que fez a diferença

Dra. Zilda

"Gestante, quando uma líder bater na sua porta, você abra a porta e receba com carinho, converse bastante com ela sobre o que você sente, seus medos, preocupações e dificuldades e venha à Pastoral da Criança que sempre quer o melhor para você e para seu bebê"

Maria Aparecida teve um baque logo que descobriu que estava grávida e após o nascimento de sua caçula. Maria Aparecida já tinha mais de 39 anos e não esperava engravidar novamente. Acredita que só superou tantas dificuldades por causa do apoio que encontrou em Maria da Conceição, líder da Pastoral da Criança. "A Conceição me ajudou, me aconselhou muito. Quando as vizinhas falavam que eu já estava velha para ser mãe, que a criança teria problemas, ela me dizia para eu confiar e falava que ia estar do meu lado. Por causa dela não interrompi a minha própria gravidez e hoje Mariana é a minha maior alegria", comenta. "Foi a Conceição que me fez fazer o pré-natal, e quando eu não queria ir, ela me buscava e ia junto comigo. Ela me fez parar de fumar durante a gravidez e ficou comigo durante o parto".

Aparecida conheceu a Pastoral da Criança há nove anos, quando começou a frequentar a Celebração da Vida e receber as visitas da líder Conceição em sua casa, que vinha para ajudá-la com a filha Gabriela, atualmente com 10 anos. "A Pastoral da Criança mudou a minha vida", afirma. "A Conceição vem sempre aqui conversar, aconselhar, brigou por mim no Posto de Saúde para que o médico atendesse as duas bebês da casa numa mesma consulta e até me ensinou a escrever meu nome".

 

Papa Francisco

papa francisco

“Deus é assim: ele dá sempre o primeiro passo, ele se move para nós. Jesus não tem casa porque a sua casa é o povo, somos nós, a sua missão é abrir a todos as portas de Deus, ser a presença do amor de Deus”.

Papa Francisco

.

 

 

Mais recentes - Missão