criança com febre deitada na cama

Foto: Peoplecreations / Freepik

Você sabia que mais da metade dos atendimentos de crianças nas Unidades de Saúde e nos hospitais estão relacionadas à febre? Essa é uma causa de preocupação para muitos pais, mas é importante saber que esse processo em si não é necessariamente prejudicial.

A febre, em geral, é uma indicação de que o organismo está combatendo uma infecção, ou seja, é um processo de defesa natural do nosso corpo. As células macrófagos, quando encontram algo estranho no organismo, como um vírus, bactéria ou fungos, eliminam o máximo que conseguem, mas também pedem ajuda, mandando sinais para que o cérebro eleve a temperatura do corpo (acima de 37.8 graus), processo capaz de matar algumas bactérias e de acelerar a produção de glóbulos brancos e outras substâncias que acabam com a infecção.

Para entender mais sobre a febre, como identificar e os cuidados necessários, veja a entrevista com Regina Reinaldin, enfermeira da Coordenação Nacional da Pastoral da Criança.

regina reinaldin enfermeira da pastoral da crianca

 Regina Reinaldin - Enfermeira da Pastoral da Criança

O que é a febre?

É um momento temporário da temperatura do corpo e sinaliza algo que está errado. Então, quando a temperatura está acima de 37.8 graus é considerada uma febrícula. E quanto mais aumenta, vai agravando.

Quais são as principais causas da febre nas crianças?

A febre pode ser causada por vírus, infecções bacterianas, insolação, queimadura do sol, inflamações, tumores malignos, reações adversas de algumas vacinas e desidratação.

Quais são os sinais que mostram que uma criança está com febre? O que fazer neste caso?

Um sinal comum da febre em bebês e crianças é a testa quente. Mas, isso não é o suficiente para diagnosticar a febre. Bebês e crianças também podem sentir mais preguiça do que o normal. Outros sintomas associados à febre incluem: falta de sono, má alimentação, falta do interesse em jogos, letargia, convulsões.

Quando devemos levar a criança ao médico?

A febre, por si só, não pode ser uma causa para alarmes ou motivos para procurar ajuda médica. Agora, existem algumas circunstâncias em que é necessário procurar um médico para o bebê e a criança: febre muito alta; criança com tendência a convulsões; febre ainda que não muito alta, mas por mais de dois dias.

O que são convulsões febris? O que fazer se uma criança tiver uma convulsão?

A convulsão febril é um tipo de convulsão generalizada que costuma durar de cinco a dez minutos, a criança fica inconsciente, com tremores nos braços e nas pernas, e a boca fica roxa. Mas a convulsão não leva à morte. A primeira coisa é manter a calma, deitar a criança, colocar sua cabeça numa superfície macia, virando a cabeça para o lado para que a saliva ou alguma secreção saia pela boca naturalmente durante ataque e não obstrua sua respiração. Se puder, peça para alguém contar o tempo que dura a crise, ou você mesmo. Esta é uma informação importante para o médico. Nada de tentar baixar a febre durante o momento da crise. Tentar dar remédio para febre pela boca da criança, durante o ataque, pode piorar a situação, causando engasgo ou aspiração. Depois que acabar a crise, leve ao serviço de saúde.

Leia a entrevista na íntegra: 1333 - Entrevista com Regina Reinaldin - Febre nas crianças (.PDF)

Esta entrevista é parte do Programa de Rádio Viva a Vida da Pastoral da Criança. Ouça o programa de 15 minutos na íntegra
Programa de Rádio 1333 - 17/04/2017 - Febre nas crianças
{audio socialshare:no}1333 - Febre nas criancas sul|/joomlatools-files/docman-files/1333_febrenascriancas_S.mp3; 1333 - Febre nas criancas norte|/joomlatools-files/docman-files/1333_febrenascriancas_N.mp3{/audio}