Seguem abaixo algumas perguntas e respostas sobre a visita domiciliar:

1) Qual é o tempo ideal da visita domiciliar?

É o tempo necessário para orientar a família e tirar as dúvidas que possam surgir. Orienta-se que se use o aplicativo durante a visita, pois as perguntas são específicas para o período gestacional ou idade da criança, como se fosse um roteiro dos principais assuntos que devem ser conversados com a família. E nas próprias perguntas tem informações e orientações que podem ajudar nesse momento (mensagem abaixo da pergunta, botão “Saiba mais” e até vídeos).

2)Pode ser considerada visita quando encontrar a mãe na rua, no mercado, no posto, etc?

Não. Sempre de pode/deve perguntar como a criança está, mas esses encontros não devem ser considerados a visita domiciliar. Nestes casos, quando fizer a visita domiciliar, não precisa perguntar de novo o que você já sabe e pode continuar de onde a conversa, ocorrida ao acaso, acabou.

3) Faço parte dos movimentos da igreja e estamos entregando alimentos, roupas e outras doações. Posso realizar a visita neste momento?

Todo encontro é uma oportunidade de conversar sobre a criança ou gestante. Se tiver o tempo adequado para conversar, pode fazer a visita domiciliar aproveitando esta ida à casa da família acompanhada (lembrar que como mora na comunidade, não dá tanto trabalho voltar, se precisar conversar mais ...).
 

4) As visitas podem ser feitas por telefone?

Sim. Quando não for possível fazer a visita presencial, a ligação por telefone ou whatsapp é uma ótima alternativa de manter contato com a família, fazer a visita e passar as orientações. Lembrar que é possível compartilhar as informações do botão “Saiba mais” durante a visita domiciliar.

5) As visitas podem ser feitas enviando as perguntas do aplicativo por grupo de whatsapp?
Sim, todo encontro, mesmo virtual, é uma oportunidade de conversar sobre a criança ou gestante. Você pode perguntar e orientar por mensagem escrita ou áudio e ainda compartilhando as informações do ''Saiba mais'' de cada pergunta. 

Em geral, as mães e gestantes que mais precisam da Pastoral da Criança devem ter orientação individual, pois assuntos particulares não podem ser expostos em público. Então depois de orientar pelo grupo, podem ir até a casa dela, ligar ou enviar uma mensagem para orientar individualmente caso a caso se percebeu que ainda algumas ficaram com dúvidas.

6) Pode usar o aplicativo apenas para passar as respostas do caderno?

O ideal é usar o aplicativo durante a visita, pois ele tem muito conteúdo e informações que podem ajudar a orientar a família.

Caso isso não seja possível, seria interessante ajudar a mãe/pai ou familiar a baixar o AppVisita da Pastoral da Criança para que eles aproveitem toda a riqueza de conteúdos, imagens e vídeos que ele tem. Com isso, eles podem fazer os brinquedos, ter as receitas e aprender mais sobre sua gestação ou criança. O app tem muitas informações que podemos compartilhar com as famílias e gestantes.

7) Como fazer se na visita presencial as crianças quiserem me abraçar?

As crianças aprendem rápido, então, antes de iniciar as visitas presenciais, é necessário avisar as famílias da importância de seguir os protocolos e ensinar as crianças que agora não será possível abraçar ou ficar sem máscaras.

8) Quantas crianças e gestantes o líder pode acompanhar?

Até 15 crianças de famílias próximas a sua casa e mais as gestantes.


Você está aqui: