Todas as pessoas precisam de uma boa alimentação, em especial a mulher grávida e a que amamenta, a fim de se manter saudável para que seu bebê possa se desenvolver, nascer com peso adequado e crescer com saúde. Se a gestante se alimenta mal, ela pode ficar anêmica, desnutrida ou ganhar mais peso do que o necessário. Seu bebê pode nascer com baixo peso ou acima do peso, ter mais facilidade de ficar doente e demorar mais para se recuperar.

Uma alimentação saudável contém alimentos variados, frescos, em quantidade suficiente e bem lavados. É muito importante se preocupar com a qualidade e a quantidade dos alimentos. Tanto a falta quanto o excesso de comida podem fazer mal à saúde.

Alimentos industrializados devem ser evitados no dia a dia, pois contêm muito açúcar, gordura, sal e conservantes, que não fazem bem para a saúde. Alguns exemplos são: macarrão instantâneo, biscoito recheado, salgadinho de pacote, bala (rebuçada), chicletes (pastilhas), chocolate, sorvete, refrigerante, suco em pó ou de caixinha, maionese, entre outros.

ferro é um micronutriente essencial para a vida e atua principalmente na fabricação das células vermelhas do sangue e no transporte do oxigênio para todas as células do corpo. Por isso é importante comer diariamente alimentos ricos em ferro, como:

  • carnes de gado e aves;
  • coração, fígado, rins, baço (passarinha) e outras vísceras;
  • vegetais de vagens: feijão, lentilha, ervilha;
  • vegetais de folhas verde-escuras: couve, taioba, agrião, salsa;
  • melado de cana (melaço), castanha do brasil, de caju e amendoim (gingoba).

O ferro é melhor aproveitado quando a pessoa come alimentos ricos em vitamina C e A na mesma refeição. O cálcio, pelo contrário, atrapalha a absorção do ferro. Por isso, é melhor que o leite e seus derivados não sejam consumidos no almoço e no jantar, para que o corpo aproveite melhor o ferro contido na carne, nas vísceras e em outros alimentos como o feijão. 

vitamina C ajuda a prevenir infecções, fraqueza muscular, sangramentos nas gengivas e a cicatrizar feridas. Alguns alimentos ricos em vitamina C são: 

  • frutas cruas: limão, laranja, mexerica (bergamota, mimosa), abacaxi, caju, mamão, acerola, murici, goiaba, carambola, kiwi, tamarindo;
  • verduras cruas: folhas verde-escuras, brócolis, pimentão.

vitamina A ajuda a prevenir diarreia, infecções, protege a visão e a pele. É importante para o desenvolvimento do pulmão e ajuda no crescimento do bebê no útero, além de fortalecer as defesas do organismo. Para que essa vitamina seja bem aproveitada pelo corpo, é importante colocar um pouco de óleo no preparo dos legumes e folhas. Os alimentos ricos em vitamina A são, principalmente, legumes alaranjados e vermelhos, folhas verde-escuras, frutos amarelos, frutos de palmeiras e outros:

  • abóbora, cenoura, batata doce, pimentão vermelho, beterraba;
  • folhas de brócolis, mostarda, espinafre, couve;
  • manga, caqui, mamão, pequi;
  • buriti, pupunha, tucumã, dendê;
  • leite, manteiga, queijos;
  • gema de ovo, fígado, sardinha, mariscos, ostras. 

 

A falta de vitamina A pode provocar a chamada cegueira noturna, que é a dificuldade em enxergar à noite ou em baixa luminosidade, entre outras consequências.

cálcio é importante para a gestante e para o bebê porque ajuda a formar e manter fortes dentes e ossos. Alguns alimentos ricos em cálcio são:

  • leite, queijo, coalhada e iogurte;
  • folhas verde-escuras;
  • gergelim;
  • peixes pequenos. 

vitamina D também é muito importante para os ossos, pois ela ajuda a evitar o raquitismo nas crianças e a fraqueza nos ossos dos adultos. É encontrada em alguns peixes (sardinha e atum), gema de ovo, fígado, queijos, entre outros alimentos.

iodo é importante para o desenvolvimento físico e mental. A falta de iodo no corpo da gestante afeta a formação do cérebro do bebê. Os alimentos que contêm iodo são:

  • sal iodado - deve ser consumido com moderação;
  • peixes de água salgada e mariscos;
  • verduras, legumes e frutas plantados em terra rica em iodo, ou seja, em terras próximas do mar.

O sal que é dado para o gado não deve ser utilizado para cozinhar, pois não contém iodo.

O ácido fólico de alimentos como vísceras, feijão e vegetais de folhas verde-escuras ajuda a prevenir problemas no cérebro e na coluna do bebê.

Líder, oriente a gestante a preparar, no máximo, comida para duas refeições por vez. Assim, ela não vai consumir comida antiga e diminui muito a chance da comida estragar.

Líder, você pode ajudar a gestante e a família a aproveitar melhor os alimentos e a melhorar seu estado nutricional, orientando que:

 

 

  • Um prato com alimentos variados, de diversas cores, tem mais vitaminas e minerais.
  • O arroz fornece carboidratos, vitaminas e algumas proteínas. E o feijão é rico em ferro, fibras e também em proteínas diferentes das encontradas no arroz.
  • Os alimentos da estação e da região são mais frescos, saborosos e nutritivos, além de mais baratos.
  • Toda refeição deve ter pelo menos um alimento cru, que pode ser salada ou fruta.
  • A forma de preparo dos alimentos também é muito importante: sempre é melhor comer alimentos assados e cozidos do que fritos.
  • É melhor comer os alimentos logo depois de preparados. Alimentos requentados ou fervidos por muito tempo perdem nutrientes.
  • As sobras de alimentos cozidos devem ser guardadas em geladeira (geleira) ou lugar fresco, cobertos por peneiras ou telas.
  • A vasilha onde se guarda água deve ser tampada.
  • Café, chá mate, chá preto, leite e derivados prejudicam a absorção do ferro e precisam ser evitados até duas horas após as refeições.

Todos têm direito de comer diariamente alimentos de qualidade e na quantidade necessária para ter saúde. Isso é segurança alimentar e nutricional.


Você está aqui:
Você está aqui: