De 5 a 21 de agosto de 2016, 10.500 atletas de 206 países competirão em terras brasileiras, na cidade do Rio de Janeiro, envolvendo 42 esportes. A realização de uma Olimpíada transforma rotinas de trabalho, economia, transporte, comércio, turismo, entre tantos setores da sociedade que se mobilizam. Muitas pessoas organizam torcidas, vestem as cores de suas nações e se reúnem para assistir às provas. Mas nem sempre o clima é de festa. Um evento deste porte também é alvo de críticas, especialmente sobre os altos custos.

Os preparativos para as Olimpíadas no Rio de Janeiro começaram muito antes deste ano. Foram planejadas obras e mais obras, para preparar 32 locais de competição, além de melhorias de transporte e outras questões de infraestrutura. O planejamento de gastos inclui recursos de patrocinadores, parcerias público-privadas, do Comitê Olímpico Internacional, dos governos federal, estadual e municipal, bem como o valor recebido com a venda de ingressos – somando mais de 39 bilhões de reais.

Se por um lado, a população não pôde participar das decisões relativas à organização do evento e à aplicação de recursos, por outro, pode ficar atenta ao que será feito dos espaços construídos ou reformados, por exemplo. No site do Comitê Rio 2016, que organiza as Olimpíadas no Brasil, é possível visualizar o que já está sendo realizado em termos de sustentabilidade e o que ficará de benefício à população.

Mesmo assim, é o olhar crítico de cada um que vai avaliar, na prática, como as transformações serão aproveitadas. Tudo isso e  muitas outras curiosidades e reflexões farão parte da nova exposição do Museu da Vida, que fica junto à sede nacional da Pastoral da Criança. A mostra, inspirada nas Olimpíadas, ficará montada nos meses de junho a setembro, compondo os espaços da Galeria da Vida e da Rua do Brincar.

Praças saudáveis oferecem atividades físicas para a população


Para promover a saúde e possibilitar a prática de atividade física gratuita aos cidadãos, o Governo do Espírito Santo, por meio da Secretaria de Esportes (Sesport), em parceria com as prefeituras, desenvolve o Projeto Praças Saudáveis.

A expectativa é adequar e construir mais de 100 espaços em todo o Estado, até 2014.

 

Crianças precisam de exercícios físicos para ir bem na escola

A atividade física, aponta estudo, traz benefícios para a estrutura do cérebro e suas funções cognitivas

 

O País nórdico onde crianças pequenas são ensinadas a manusear facas em plena floresta

Um popular modelo de ensino da Dinamarca tem a floresta como sala de aula.

Não por acaso chamadas de jardins de infância florestais, essas escolas tiram as crianças do ambiente fechado e as levam para aprender por meio de brincadeiras e experiências ao ar livre.


nuvem 3