00000472

Presépio doado ao Museu da Vida, e um diferencial da peça é a representação da Dra. Zilda na cena.

De acordo com fontes históricas, o primeiro presépio foi montado por São Francisco de Assis no Natal de 1223. O frade católico montou o presépio em argila na floresta de Greccio (comuna italiana da região do Lácio). Sua ideia era utilizar o presépio para explicar às pessoas mais simples o significado e como se deu o nascimento de Jesus Cristo.

No século XVIII, a tradição de montar o presépio dentro das casas das famílias se popularizou pela Europa e, logo em seguida, por outras regiões do mundo. Os presépios podem variar em tamanho e materiais usados. Existem presépios minúsculos e outros em tamanho real; e as peças podem ser feitas de madeira, argila, metal ou outros materiais. O mais comum, atualmente, é a montagem dentro das casas das famílias cristãs. Porém, encontramos também presépios em lojas, empresas, praças, escolas e outros locais públicos.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Canção Nova[homepage internet]Conheça a história e o significado do presépio [acesso em 10 de março de 2016]. Disponível em:http://noticias.cancaonova.com/conheca-a-historia-e-o-significado-do-presepio/

0000046e

Quadro Lembrança de Amambaí-MS. O quadro, em mosaico, possui fotos mostrando diversos momentos da atuação da Pastoral da Criança no município.

A história de Amambaí-MS se confunde com a história da erva mate sul-mato-grossense, devido à grande produção de erva na região e em razão das disputas entre Brasil e Paraguai para as demarcações das fronteiras, pelos grandes ervais nativos que existiam ali. Os nomes dos rios e córregos do sul do Mato Grosso do Sul, onde se encontra Amambaí, são nomes de língua guarani, o que demonstra a ocupação da região por índios guaranis.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Wikipédia[homepage internet] Amambai[acesso em 7 de março de 2016]. Disponível em:https://pt.wikipedia.org/wiki/Amambai

0000046d

Este porta-chave foi um presente que a Irmã Vera Lúcia Altoé, Coordenadora Nacional da Pastoral da Criança, recebeu da Diocese de Porto Nacional-TO.

Porto Nacional é um município do estado de Tocantins, criado em razão da extração do ouro na região. A exploração do ouro, iniciada em 1722 na Província de Goiás, levou muitos mineradores ao local e foi responsável pela maioria dos pequenos núcleos que se estabeleceram na região.

Na época de sua fundação, em 1738, a cidade estava localizada no lado esquerdo do rio Tocantins e possuía o nome de Bom Jesus do Pontal, onde hoje são as ruínas de Pontal.

O principal rio da região é o Tocantins, que margeia a cidade, e que hoje se transformou no lago da Represa do Lajeado. Há ainda outros córregos que banham o município: São João, Das Lajes e Francisquinha.

 Hoje Porto Nacional tem como economia local o agronegócio e o Turismo.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Identidade história e cultura de Porto Nacional[homepage internet]Histórico da cidade [acesso em 10 de março de 2016]. Disponível em:http://cajui.uft.edu.br/proide-pn/historico-da-cidade.html

00000400

Peça representando uma araucária em madeira, doada ao Museu da Vida pelo setor 280, de União da Vitória-PR.

Árvore símbolo do estado do Paraná, a araucária é reconhecida pela sua função ecológica e utilidade para o homem. Apesar de todas estas qualidades, é uma espécie em extinção. Seu porte é bastante grande, chegando a 50 metros de altura. Diferencia-se de outros pinheiros pela sua estrutura em candelabro e pelos seus saborosos pinhões.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Jardineiro.net[homepage internet]Pinheiro do Paraná[acesso em 3 de março de 2016]. Disponível em:http://www.jardineiro.net/plantas/pinheiro-do-parana-araucaria-angustifolia.html

0000043f

Tefé é um município do estado do Amazonas. Sua área era habitada por índios antes da colonização europeia, predominantemente as tribos Tupebas ou Tapibas. O nome Tefé origina-se dessas tribos.

O padre Samuel Fritz foi enviado para o Amazonas a serviço da Espanha e fundou as primeiras missões jesuíticas do território para catequisar os índios. Essas missões também eram responsáveis por prestar serviços sociais à comunidade indígena. 

Os portugueses, desrespeitando o Tratado de Tordesilhas, subiram o Rio Solimões, vindos do Grão-Pará, com a finalidade de conquistar o Amazonas e dominar as terras dos espanhóis, o que resultou em um grande conflito entre as duas nações quando estes chegaram à região.

Os índios fugiram em massa em 1709 após um novo confronto entre espanhóis e portugueses, indo para a cabeceira do Rio Tefé, onde atualmente está a área do município de Tefé.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Camara municipal de Tefé[homepage internet] História[acesso em 7 de março de 2016]. Disponível em:http://www.ale.am.gov.br/tefe/historia/

00000435

O Farol de Cabo Branco simboliza o extremo oriental das Américas, o lugar onde o sol nasce primeiro em nosso continente. É um farol de formato triangular, utilizado apenas como marco e não para fins náuticos.  

Esse farol, considerado ponto turísico importantíssimo de João Pessoa-PB, fica em uma das extremidades do bairro de Cabo Branco, em cima de uma falésia, de onde se tem uma bela vista para o mar, sendo um lugar para contemplação.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Melhores destinoshomepage internet]João Pessoa[acesso em 7 de março de 2016]. Disponível em:http://guia.melhoresdestinos.com.br/farol-do-cabo-branco-109-2209-l.html

000005d9

O enxoval da Mamãe de Mesquita é composto por peças industriais e artesanais e é doado como presente às mães de uma comunidade de Mesquita-RJ, no oitavo mês de gestação, mediante a três carimbos de comparecimento ao pré-natal. Na confecção das peças artesanais, encontra-se o dom e o carinho das senhoras Vanda, Marlene, Vó Aurora, Isis, Luci, Cândida, Conceição e Carmem Lucia, com idade entre 67 a 90 anos. O enxoval foi doado ao Museu da Vida por Maria das Graças, no dia 9 de janeiro de 2015.

 

 

 

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

00000426

Artesanato vindo da Região de Ribeirão Preto-SP, doado por Mariana Amélia Canhoto, feito especialmente para o Museu da Vida.

Ribeirão Preto, município do interior do estado de São Paulo, foi fundado em 1856. Neste período, a região recebia muitos mineiros que saíam de suas terras já esgotadas para a mineração e procuravam pastagens para a criação de gado. No começo do século XX, a cidade passou a atrair imigrantes, que foram trabalhar na agricultura ou nas indústrias abertas na década de 1910.

 

 

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Maurilio Romano[homepage internet]História de Ribeirão Preto[acesso em 3 de março de 2016]. Disponível em:http://maurilioromano.com.br/a-historia-de-ribeirao-preto/

00000425

Peça que representa uma arara vermelha, doada ao Museu da Vida por Ana Rita de Cássia, de Alto Solimões-AM.

A Arara vermelha (Ara chloropterus) é uma ave de grande porte, com cores exuberantes e cauda longa. Esta espécie pertence à família dos psitacídeos (família das aves trepadoras) e possui como característica fazer muito barulho, com seus gritos estridentes, que podem ser ouvidos a grande distância.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

 

Referências:

Info escola[homepage internet]Arara vermelha [acesso em 3 de março de 2016]. Disponível em:http://www.infoescola.com/aves/arara-vermelha/

00000424

Jacob’s Well ou Poço de Jacó é um dos mais importantes tesouros naturais geológicos dos Estados Unidos e tem cerca de 4 metros de diâmetro. A caverna que dá origem ao Jacob’s Well desce verticalmente ao longo de 30 metros e depois continua numa descida angulada, até dividir-se em vários túneis estreitos, chegando finalmente a uma profundidade de 40 metros. Apesar de tentador para a prática do mergulho com equipamento skuba, o mergulho na caverna de Jacob’s Well é considerado perigosíssimo. Pelo menos 80 mergulhadores já perderam suas vidas dentro do sistema de câmaras da caverna.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

 

 

Referências:

Mundo crux[homepage internet]Lugares incríveis[acesso em 1 de março de 2016]. Disponível em:http://mundocrux.com.br/agua/lugares-incriveis-jacobs-well-wimberley-texas/

00000423

Peça do acervo do Museu da Vida, representando o menino Jesus em uma manjedoura. Segundo a Bíblia, quando Maria estava grávida, ela e José estavam na cidade de Nazaré quando foram os dias de ela dar à Luz. Contudo, não havendo lugar para se hospedarem, Maria teve o parto em um estábulo e então colocou o menino em uma manjedoura. Esse tipo de peça é bastante usada por católicos nas montagens de seus presépios no período natalino.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

 

Referências:

Biblia online[homepage internet]Lucas 2[acesso em 29 de fevereiro de 2016]. Disponível em:https://www.bibliaonline.com.br/acf/lc/2%3E

0000041f

Conhecida como lâmpada a óleo, lâmpada de azeite e candeia, a lamparina é feita a partir de um recipiente (bacia, caldeira, balde) contendo óleo combustível.

Existem diversos tipos de lamparinas, os quais têm suas categorias definidas de acordo com sua forma, desenho, estrutura e material utilizado em sua construção, que pode ser cerâmica, ouro, bronze, prata, pedra e argila.

 

 

 

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

 

Referências:

Info escola[homepage internet] lamparina[acesso em 1 de março de 2016]. Disponível em:http://www.infoescola.com/curiosidades/lamparina/

DSC05860

Camiseta doada ao Museu da Vida no ano de 2015 por Fernando Botto, após uma visita ao museu. Quando conheceu a instituição, o visitante viu num painel sobre a Pastoral em outros países (na exposição Pastoral em Ação) uma imagem familiar: em 13 de março de 2010, em Luanda (capital de Angola), ele havia participado de uma missa em homenagem póstuma a Dra. Zilda, e era uma fotografia dessa missa que apareceria ali. Na celebração, os participantes usaram uma camiseta com uma foto de Dra. Zilda com uma menina no colo, e esta criança, chamada Clara, tinha uma história bem particular e conhecida por Fernando, pois os dois chegaram a conviver. 

Clara foi levada por crianças de rua para as Irmãs Joceli e Izabel, quando tinha apenas dois meses de vida e pesava um quilo e meio. Ela ficou hospitalizada por um período e a mãe a visitou algumas vezes, mas sem a intenção de tê-la sob seus cuidados maternos novamente. Em seguida, Clara foi adotada por um casal de médicos italianos que prestavam serviços voluntários em Angola. "Esta menina é o exemplo das vidas que a Pastoral da Criança conseguiu salvar”, relata Fernando.
As histórias em torno da camiseta motivaram Fernando a guardá-la e, em 2015, a doá-la ao Museu da Vida. Leia mais detalhes sobre essa história no Blog de Fernando Botto, acessando: <http://www.alhocebola.blogspot.com.br/2015/04/tia-zilda-ainda-vive.html>.
 
 
 

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

0000016f

0000040f

Lembrança doada ao Museu da Vida pela Irmã Carolina Bonatti, em 2015, que consiste em uma imitação em miniatura dos Manuscritos do Mar Morto.

Os Manuscritos do Mar Morto são uma coleção de centenas de textos e fragmentos de textos encontrados em cavernas de Qumram, no Mar Morto, no fim da década de 1940 e durante a década de 1950. Orações de toda a Bíblia Hebraica foram encontradas neles, exceto do Livro de Ester e do Livro de Neemias. Os manuscritos incluem também Livros Apócrifos, que são os livros que não estão na Bíblia. Os Manuscritos do Mar Morto são de longe a versão mais antiga do texto bíblico, datando de mil anos antes do texto original da Bíblia Hebraica, usado pelos judeus atualmente. Hoje em dia, estão guardados no Santuário do Livro do Museu de Israel, em Jerusalém.

 Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

 

Referências:

Beth-Shalon[homepage na internet]O verdadeiro tesouro dos manuscritos do mar morto
[acesso em 17 de fevereiro 2016]. Disponível em:http://www.beth-shalom.com.br/artigos/manuscritos_mar_morto.html

00000400

Garrafa com cruz de madeira doada ao Museu da Vida, feita pelo artesão Lourival Junior, de Mariana-MG.

Mariana é um município do estado de Minas Gerais, cuja economia depende principalmente do turismo e da extração de minérios. Mariana foi a primeira vila, cidade e capital do estado de Minas Gerais. No século XVII, foi uma das maiores cidades produtoras de ouro.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Wikipédia[homepage na internet]Mariana
[acesso em 17 de fevereiro 2016]. Disponível em:https://pt.wikipedia.org/wiki/Mariana

000003ff

Chaveiro vindo do Maranhão com Bumba Meu Boi representado.

A Pastoral da Criança do estado do Maranhão completou 30 anos no ano de 2014, esta região é conhecida pela tradição do Bumba Meu Boi.

O Bumba Meu Boi é a festa mais marcante da cultura popular da região maranhense. Em homenagem a São João, a festa acontece principalmente entre os meses de junho e julho, mas há muitos eventos fora de época que ocorrem durante todo o ano.

A tradição surgiu no século XVIII e ainda hoje envolve a população de São Luís que, durante as festividades, ocupa todas as partes da cidade, da periferia aos shoppings. Grupos de todo o estado se reúnem, dançando e cantando noite adentro.

O Bumba-meu-boi é uma festa democrática, que envolve pessoas de todas as idades e extratos sociais. Por ser uma festa de origem negra, ela sofreu perseguição política e policial, chegando a ser proibida de 1861 a 1868.

O enredo do Bumba-meu-boi conta a história de Pai Francisco, um escravo que, para saciar o desejo de sua esposa grávida por uma língua de boi, mata o gado de estimação do senhor da fazenda. Percebendo a morte do boi, o senhor convoca pajés e curandeiras para ressuscitar o animal. O boi volta à vida e a comunidade festeja.

Bumba meu boi Bumba meu boi do maranhão

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Bumba Meu Boi[homepage na internet]Bumba Meu Boi do Maranão
[acesso em 22 de fevereiro 2016]. Disponível em:http://bumba-meu-boi.info/bumba-meu-boi-do-maranhao.html

000003fd

Artesanato feito de palha de trigo confeccionada pelo projeto "Tranças da Terra". A técnica dessa produção artesanal foi resgatada pelo projeto, nascido da necessidade de encontrar uma atividade que identificasse a região e gerasse renda para as comunidades rurais. Lançado em 2005, o projeto transcorreu em tempo recorde e alcançou resultados esperados em termos econômicos, sociais e ambientais.

O projeto reúne 22 artesãos e 11 produtores de trigo, envolvendo mais de 50 pessoas do Meio Oeste de Santa Catarina, que, de forma associativa e em rede, desenvolvem um trabalho artesanal a partir da palha de trigo, respeitando as raízes culturais da região. A região do meio-oeste catarinense foi considerada a "Capital do Trigo" na década de 1950. A região montanhosa com baixas temperaturas era ideal para o plantio do cereal. O artesanato feito em palha de trigo era uma tradição responsável pela produção de chapéus e sportas (palavra italiana que significa sacolas), usados principalmente nas plantações e nas idas à cidade para compras. Com a mudança da fronteira agrícola para o Paraná e a mecanização da agricultura, ocorridas no final dos anos 1960, a cultura do trigo na região foi praticamente desativada e o artesanato em palha de trigo se restringiu a poucas comunidades de agricultores, que prosseguiram cultivando o cereal nos moldes tradicionais, sem uso de máquinas.

 

 

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Tranças da Teraa[homepage na internet]O Resgate de um oficio cultivando a história e a cultuar de uma região
[acesso em  de fevereiro 2016]. Disponível em:http://www.trancasdaterra.com.br/institucional.php

000003fcLembrança da cidade de Cáceres-MT, município fundado em 6 de outubro de 1778, ainda com o nome de Vila Maria do Paraguai. Em 1860 passou a se chamar São Luiz do Cáceres, e só em 1938 a cidade ganhou o nome de Cáceres.

A igreja de São Luiz dos Cáceres, a qual tem sua foto representada nesta peça, tem uma história bem singular. A pedra fundamental foi colocada em 1919, mas a inauguração foi em 1965, ou seja, somente 45 anos depois. Quatro anos mais tarde, em 1949, toda a estrutura interna da Catedral ruiu e este fato levou o imaginário das pessoas a criar uma lenda, chamada "Lenda da Serpente" ou "Lenda do Minhocão". Segundo essa história, uma serpente teria se abrigado no interior da Catedral, o que a fez ruir. A Lenda da Serpente ou do Minhocão contribuiu para aumentar o fascínio em torno da Catedral, que foi construída em honra a São Luiz, padroeiro de Cáceres.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Noticias de Mirasol[homepage na internet]História e Memoria de São Luiz de Cáceres

[acesso em 10 de fevereiro 2016]. Disponível em:http://www.noticiasmirassol.com/2015/01/historia-e-memoria-catedral-sao-luiz-de.html

Portal Mato Grosso[homepage na internet]História de cáceres
[acesso em 10 de fevereiro 2016]. Disponível em:http://portalmatogrosso.com.br/municipios/caceres/historia-de-caceres/442

0000007d

Cesto feito em palha de bananeira vindo do Ceará, doado ao Museu da Vida em 10 de janeiro de 2015, por Maria Juceleide Rodrigues.

Folhas de bananeira são abundantes no Sudeste Asiático e na América do Sul. Elas são utilizadas para fertilizantes e para preparar comida e elaborar cestos, bandejas e bolsas. Essas folhas grandes são secas e, em seguida, cortadas, para se transformarem em objetos domésticos naturais.

 

 

 

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

 

Referências:

ehow[homepage na internet]como fazer cestos com folha de bananeira
[acesso em 10 de fevereiro 2016]. Disponível em:http://www.ehow.com.br/cestos-folha-bananeira-como_101328/

000003e7

O cocar é um adorno feito de penas. Símbolo de nobreza para os índios, ele ultrapassa os limites do estético e imprime em suas penas e sementes a ordenação da aldeia, o significado da vida e a importância do ser.

Ele é usado apenas em ocasiões especiais e é altamente simbólico. É conquistado por meio de atos de coragem na batalha. As penas significavam os próprios atos, e alguns guerreiros poderiam ter obtido apenas duas ou três penas de honra em toda a sua vida, pelo fato da alta dificuldade em conquistá-los. O cocar também foi uma marca maior de respeito, porque nunca poderia ser usado sem o consentimento dos líderes da tribo.

 Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

 

Referências:

Amazônia de A a Z[homepage na internet]cocar
[acesso em 10 de fevereiro 2016]. Disponível em:http://www.portalamazonia.com.br/secao/amazoniadeaz/interna.php?id=433

000003c1A história da santa relata que em 4 de setembro de 1982 a artesã Ida Sanches Mônacona confeccionou uma imagem diferente da mãe de Cristo, que recebeu o nome de Nossa Senhora do Pantanal, apelido dado pelo Dr. Gabriel Vandoni de Barros. Os traços da santa eram bem parecidos com os de Nossa Senhora Aparecida, mas ela possuía um manto repleto de folhas e flores de camalotes, nas cores verde e lilás, e uma coroa feita de pequenas folhas e flores da mesma planta. Em 21 de setembro de 2001, a santa foi reconhecida como padroeira de Corumbá e ganhou milhares de fiéis.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

 

 

 

 

Referências:

Ensaio Geral[homepage na internet]Nossa Senhora do Pantana terá capela em Corumbá
[acesso em 16 de fevereiro 2016]. Disponível em: http://www.ensaiogeral.com.br/noticias/homenagem/nossa_senhora_do_pantanal_tera_capela_em_corumba

000003c0

Imagem sacra de Irmã Dulce.

Seu nome real é Maria Rita de Sousa Brito Lopes Pontes, mas Dulce era sua mãe, a qual faleceu quando Maria era ainda criança. Quando se tornou freira, Maria Rita adotou esse nome por homenagem a sua mãe, e assim ficou conhecida como Irmã Dulce.

Irmã Dulce foi uma das mais importantes, influentes e notórias ativistas humanitárias do Século XX. Suas grandes obras de caridade são referência nacional e ganharam repercussão pelo mundo, tanto que seu nome é sempre relacionado à caridade e ao amor ao próximo.

Foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz no ano de 1988, pelo então presidente do Brasil, José Sarney, porém não ficou com o título. Em 2011, foi beatificada pelo enviado especial do Papa Bento XVI, Dom Geraldo Majella Agnelo, em Salvador-BA.

 

 

 

 

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

Referências:

Wikipédia[homepage na internet]Irmã Dulce
[acesso em 10 de fevereiro 2016]. Disponível em:https://pt.wikipedia.org/wiki/Irm%C3%A3_Dulce

000003bc

Adorno de cabeça indígena de Diamantina-MT, Grupo Indígena Bakairí, doada pela Irmã Nilde dos Santos, em 2014.

Os Bakairi se autodenominam Kurâ, que quer dizer "gente", "ser humano".São um grupo indígena que habita o centro do estado brasileiro de Mato Grosso, principalmente nas Áreas Indígenas Bakairi e Santana. Os centros urbanos que mais influências exercem na vida dos Bakairi são Nobres, Paranatinga e Cuiabá, a capital do estado. A língua Bakairi pertence à família Karib, mas todos também falam o português.

 

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

 

 

 

 

 

 

Referências:

Povos indíginas no Brasil[homepage na internet]Bakairi
[acesso em 10 de fevereiro 2016]. Disponível em:http://pib.socioambiental.org/pt/povo/bakairi

000003b7

Adorno indígena para cabelo, usado em muitas tribos pelas índias.

Os índios brasileiros usam muitos adornos e pinturas corporais. Os adereços são confeccionados com plumas de aves, como arara, gavião, papagaio, tucano, guará sisal, pedras, dentes, unhas, garras e bicos de animais e sementes. As vestimentas adornadas, principalmente com plumas, são geralmente utilizadas em ocasiões especiais, como ritos e comemorações.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

 

Referências:

Fundação Joaquim Nabuco[homepage na internet]Trajes e odornos de índios brasileiros
[acesso em 10 de fevereiro 2016]. Disponível em:http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php?option=com_content&view=article&id=833:trajes-e-adornos-de-indios-brasileiros&catid=54:letra-t

000003ae

Lembrança da cidade de Pinheiro-MA

Cidade do estado de Maranhão, o município de Pinheiro originou-se de umafazenda fundada pelo Capitão-Mor Inácio José Pinheiro. O capitão, pela ausência de pastagens em Alcântara, onde era estabelecido, buscou um local que melhor atendesse às necessidades do rebanho. Após percorrer a região por vários dias, encontrou uma vasta planície, apresentando grande lago e, mais ao longe, espessa mata. De imediato, ali se fixou, providenciando o deslocamento do gado e de pessoal. Ao longo do tempo, Pinheiro recebeu denominações de Lugar de Pinheiro, Vila Nova de Pinheiro, Vila de Santo Inácio de Pinheiro e, finalmente, Pinheiro.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

 

Referências:

Pinheiro[homepage na internet]Histórico
[acesso em 10 de fevereiro 2016]. Disponível em:http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/dtbs/maranhao/pinheiro.pdf

0000038c

Um dos países mais pobres do mundo, Guiné Bissau está localizado na África. O país possui uma grande variedade de idiomas, mas a língua oficial é o português, que, apesar disso, é falada por apenas 14% da população.

A Pastoral da Criança iniciou o trabalho em Guiné Bissau no ano de 2007 e tem ajudado muitas famílias a combater a desnutrição e a mortalidade infantil desse país tão carente.

Em 2015, a Pastoral da Criança iniciou um projeto chamado Pequenos Reis Magos, com o objetivo de arrecadar fundos para custear as atividades nos demais países em que a instituição atua. O projeto foi inspirado em uma ação já realizada na Alemanha desde 1959, chamado Kindermissionswerk, em que crianças pedem dinheiro de casa em casa durante o período do Advento. O primeiro país beneficiado pela campanha foi Guiné Bissai, recebendo o equivalente a seis mil dólares.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Pastoral da Criança[homepage na internet]Campanha Pequenos Reis Magos
[acesso em 05 de fevereiro 2016]. Disponível em:http://www.pastoraldacrianca.org.br/noticias2/3856-campanha-pequenos-reis-magos-supera-expectativas-de-arrecadacao

Pastoral da Criança[homepage na internet]Coordenação da Pastoral da Criança visita Guiné Bissau
[acesso em 05 de fevereiro 2016]. Disponível em:http://www.pastoraldacrianca.org.br/noticias2/2924-coordenao-da-pastoral-da-crianca-visita-guine-bissa

Wikipédia[homepage na internet]Guiné Bissau
[acesso em 05 de fevereiro 2016]. Disponível em 

00000389

Peteca feita artesanalmente pelas crianças da Pastoral da Criança, do ramo Nossa Senhora da Glória, município de Mariana-MG.

A peteca é um brinquedo criado pelos índios brasileiros. No entanto, acabou evoluindo na forma e nas regras, até se tornar um esporte.Quando os portugueses chegaram ao Brasil, viram nossos indígenas brincando com uma trouxinha de folhas com pedras dentro, amarrada com espiga de milho e penas coloridas em cima. Aos poucos, os colonizadores incorporaram a peteca ao seu próprio cotidiano e, assim, a brincadeira para crianças e adultos foi passando de geração em geração, até os dias de hoje.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Britannica escola[homepage na internet]Peteca
[acesso em 05 de fevereiro 2016]. Disponível em:http://escola.britannica.com.br/article/483458/peteca

00000385

Esta miniatura de barco a vapor faz parte do acervo do Museu da Vida e já esteve em exposição, na mostra temporária do acervo intitulada “Há um barco esperando na praia”, sala da Galeria da Vida, ano de 2015.

A criação do barco a vapor não pode ser creditada a um inventor particular, pois a adaptação desse tipo motor para a propulsão de embarcações foi tentada por vários projetistas, tanto na Europa quanto na América. Esta invenção propiciou o sonho de mover grandes embarcações sem depender dos ventos.

Existe apenas um barco destes em atividade no mundo, e ele foi construído nos Estados Unidos, em 1913, mas se encontra atualmente no Brasil, mais precisamente em Pirapora-MG. O barco, que foi intitulado de Benjamim Guimarães, foi tombado como Patrimônio Histórico e Cultural da cidade e do Brasil e leva turistas a um passeio de 18 quilômetros no rio São Francisco, todos os domingos.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

G1[homepage na internet]Pirapora oferece passeio no único barco a vapor em atividade
[acesso em 05 de fevereiro 2016]. Disponível em:http://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/2011/12/pirapora-oferece-passeio-no-unico-barco-vapor-em-atividade.html

00000382

Este barco, lembrança de Chaval-CE, foi presente para Dra. Zilda e está no acervo do Museu da Vida.

Município litorâneo do estado do Ceará, Chaval é conhecido como “Cidade das Pedras” e é considerado um dos melhores lugares para relaxar no estado. Leva esse nome por conta das belas paisagens compostas com pedras.Sua economia é composta por pecuária e turismo, mas na sua maior parte por produção de sal marinho.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Praias 360°[homepage na internet]Chaval
[acesso em 05 de fevereiro 2016]. Disponível em:
http://www.praias-360.com.br/ceara/chaval

Wikipédia[homepage na internet]Chaval
[acesso em 05 de fevereiro 2016]. Disponível em:https://pt.wikipedia.org/wiki/Chaval

 

Sala de jantar com mesinha e cadeiras.

Materias:

4 garrafas de água com fundo quadrado

1 CD

eva branco

tecido colorido

1 garrafa de refrigerante

cola quente

jornal

 

Como fazer:

Corta a garrafa de refrigerante e reserva a parte de cima.

Cola com cola quente o CD sobre a garrafa cortada.

Revestior o Cd com tecido colorido.

Cortar pedaços de EVA e dobrar, formando copos, em seguida colar sobre a mesa.

Cortar as garrafas de água nas partes laterais, deixando um lado para ser o encosto e o outro lado com a boca da garrafa para formar o assento da cadeira. Dobrar a parte do assento, preenchendo com jornal e colando com cola quente para fixar bem.

Revestir a cadeira com tecido colorido, colando com cola quente.

 

00000372

Porta-lápis lembrança da cidade de Aliança-PE

No ano de 1862, chegou ao povoado da Chã dos Bodes (atual Aliança, estado de Pernambuco) o Frei Caetano, designado para fazer algumas missões. O religioso ficou impressionado com a união da população, que se juntou e mais tarde construiu a Capela de Nossa Senhora da Rosário. Em uma de suas missas, o Frei falou a seguinte frase: "Isso é que é uma verdadeira aliança", sugerindo depois o nome de Aliança para o lugar, que acabou de fato se tornando o nome do local.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

 

Referências:

Cidades do meu Brasil[homepage na internetAliança Pernambuco
[acesso em 01 de fevereiro 2016]. Disponível em:<http://www.cidadesdomeubrasil.com.br/PE/alianca

00000376Relógio lembrança de Rio de Contas-BA

Rio de Contas, cidade localizada na região sul da Chapada Diamantina, é considerada um dos três mais importantes conjuntos arquitetônicos coloniais da Bahia. Tombada pela Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, a cidade, com suas ruas largas e floridas, ladeadas por casarões coloniais, reúne um raro Acervo Público, com cartas de alforria e certidões de escravos originais.

Chapada Diamantina é um lugar muito especial, com lindos cenários compostos por cavernas, grutas, florestas, águas claras e pedras preciosas, atraindo, assim, muitos turistas. No final do século XVIII, encontrou-se na região os primeiros diamantes, provocando uma corrida de milhares de garimpeiros de todos os lados do Brasil. Por quase todo o século XIX, a Bahia foi a maior produtora de diamantes do mundo.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

Referências:

Terra Chapada[homepage na internet]Chapada Diamantina muita história pra contar
[acesso em 01 de fevereiro 2016]. Disponível em:http://www.terrachapada.com.br/tudo-sobre-a-chapadadiamantina/historia

0000037cBrinde da Fundação Vale, quando foi assinada a parceria com a Pastoral da Criança, em 2013. 

A fundação Vale é corporativa e contribui para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde opera. O apoio da Fundação ao trabalho da Pastoral da Criança tem como objetivo ampliar as ações preventivas de saúde e nutrição de crianças e gestantes já desenvolvidas pela Pastoral em 25 municípios do Pará e do Maranhão (dados referentes ao ano de 2015). Por meio da parceria, a Pastoral da Criança irá fortalecer e capacitar as equipes de missionários e líderes comunitários voluntários na implantação e acompanhamento das ações de atenção básica, nutrição, cidadania e educação nas comunidades atendidas.

 

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

Referências:

Fundação Vale[homepage na internet]Sobre a fundação Vale
[acesso em 01 de fevereiro 2016]. Disponível em:http://www.fundacaovale.org/pt-BR/a-fundacao-vale/sobre-a-fundacao-vale/Paginas/default.aspx

 

 

 

Imagem 1744

Teatro dr. Botica, doado pelo voluntário Eduardo Carlos de Peixoto Santos, adquirido em 1996.

Contém cinco dedoches.

 

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

00000381

Caravela lembrança de Arraial do Cabo-RJ.

Cidade do estado do Rio de Janeiro, Arraial do Cabo foi distrito de Cabo Frio até 1985, ano de sua emancipação. Ela é conhecida entre seus habitantes como "paraíso do Atlântico", uma das mais belas paisagens do litoral, composta por água azul turquesa, que chama a atenção de turistas de diversas partes do Brasil e do mundo. Com isso, o turismo é a principal atividade econômica da cidade.

 

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

 

 

Referências:

Região dos Lagos[homepage na internet]
[acesso em 01 de fevereiro 2016]. Disponível em:
http://1besem2014.blogspot.com.br/2014/05/principais-atividades-economicas-em.html

 

 

0000036d

Lembrança de Junqueiro AL.

O município de Junqueiro está localizado na região centro-sul do Estado de Alagoas.

O nome da cidade se deu pela abundância do junco utilizado largamente pelos moradores na fabricação de utensílios domésticos como; esteiras, colchões e outros.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

 

 

 

 

Referências:

Governo Municipal Junqueiro[homepage na internet]Sobre Junqueiro
[acesso em 29 de janeiro 2016]. Disponível em:http://www.prefeiturajunqueiro.com.br/p/3/sobre-junqueiro/

Imagem 1721

Lembrança da diocese de Nova Iguaçu representando um bebê no útero materno. A diocese de Nova Iguaçu se fez presente com duas caravanas na Celebração Dra. Zilda, que aconteceu em janeiro de 2015, no estádio Arena da Baixada, em Curitiba-PR. A lembrança foi doada ao museu nesta ocasião.

Cidade que faz parte da região metropolitana do Rio de Janeiro, Nova iguaçu está deixando de ser uma cidade dormitório, como era há alguns anos atrás, pois vem mudando seu perfil sócio-econômico nos últimos anos, devido a instalação de importantes empresas no município. Além da importância econômica, Nova Iguaçu é um notável centro turístico da região metropolitana.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Wikipédia[homepage internet] Nova Iguaçu[acesso em 10 de março de 2016]. Disponível em:https://pt.wikipedia.org/wiki/Nova_Igua%C3%A7u

Baixada católica[homepage internet]Diocese de Nova Iguaçu [acesso em 10 de março de 2016]. Disponível em:http://www.baixadacatolica.com.br/portal/2015/01/13/diocese-de-nova-iguacu-envia-representantes-para-celebracao-da-vida-da-dr-zilda-arns-fundadora-da-pastoral-da-crianca-que-aconteceu-em-curitiba-no-pr/

00000361

Peça sacra representando a Sagrada família.

A Sagrada Família é o termo usado para designar a família de Jesus de Nazaré, composta segundo a Bíblia por José, Maria e Jesus. A sua festa no calendário litúrgico é celebrada no domingo que fica na Oitava do Natal, que é de 25 de dezembro a primeiro de janeiro, nesses oito dias vive-se a exultação da grande Festa do Nascimento de Jesus como um dia só.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Encontro com Cristo[homepage na internet]Oitava de Natal
[acesso em 29 de janeiro 2016]. Disponível em:http://encontrocomcristo.com.br/oitava-do-natal/

Imagem 1718

Peça feita especialmente para o Museu da Vida pela artesã Maria de de Fatima Correia, doada por Ilma conceição Correia.

Origem: Nova Iguaçu/RJ

 

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

00000368

Frei Galvão nasceu em 1739 na freguesia de Santo Antônio de Guaratinguetá em São Paulo, em uma família profundamente religiosa de elevado status social e político. Aos 13 anos ele foi enviado pelos pais ao seminário jesuíta Colégio de Belém, ele aspirava se tornar um padre jesuíta, mas a perseguição anti-jesuíta fez com que ele se mudasse para um convento franciscano, lá mudou o próprio nome em homenagem à santa padroeira da família e passou a chamar-se Frei Antônio de Sant’Anna Galvão. Neste mesmo ano recebeu o hábito franciscano e professou os votos religiosos de pobreza, obediência e castidade.

A excelente formação que recebera dos Jesuítas, juntamente com a formação recebida no período do noviciado fizeram com que os superiores permitissem que a sua ordenação fosse antecipada. E assim, em 1762, ele foi ordenado sacerdote, com apenas 23 anos.

Certo dia, Frei Galvão foi procurado por um senhor muito aflito, porque sua mulher estava em trabalho de parto e em perigo de perder a vida,
Frei Galvão escreveu em três papelinhos o versículo do Ofício da Santíssima Virgem que dizia: “Depois do parto, ó Virgem, permaneceste intacta: Mãe de Deus, intercedei por nós”, deu-os ao homem, que por sua vez levou-os à esposa, a mulher ingeriu os papelinhos, que Frei Galvão enrolara como uma pílula, e a criança nasceu normalmente.Caso idêntico deu-se com um jovem que se estorcia com dores provocadas por cálculos visicais, Frei Galvão fez outras pílulas semelhantes e deu-as ao moço, após ingerir os papelinhos, o jovem expeliu os cálculos e ficou curado. Esta foi a origem dos milagrosos papelinhos,. Mesmo depois de sua morte, inúmeras pessoas passaram a procurar nos mosteiros e conventos as pílulas de Frei Galvão, a fim de realizar a novena e pedir a intercessão do santo para a graça desejada.

No ano de 2007 foi canonizado pelo nosso Papa Bento XVI, diante de imensa multidão em São Paulo, com isso Frei Galvão se tormou o primeiro santo nascido no Brasil, o santuário que leva o nome do santo se encontra em Guaratinguetá SP cidade natal do santo brasileiro.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Seminário Franciscano Frei Galvão[homepage na internet]Breve resumo sobre a vida de Frei Galvão[acesso em 29 de janeiro 2016]. Disponível em:

http://www.seminariofreigalvao.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=26:breve-resum

São Frei Galvão[homepage na internet]Origem das pílulas[acesso em 29 de janeiro 2016]. Disponível em:

 http://www.saofreigalvao.com/w3c_novena.asp

0000035e

Escultura de Padre Cícero;

Nascido em 24 de março de 1844 e ordenado padre em 30 de novembro de 1870 pós sua ordenação retornou ao Crato e, enquanto o bispo não lhe dava paróquia para administrar, ficou a ensinar latim no Colégio Padre Ibiapina, em 1871 foi a primeira vez ao povoado de Juazeiro e ali celebrou então a tradicional missa do galo, e em abril de 1872 voltou para fixar residência em Juazeiro.

Algumas fontes relatam que Padre Cícero resolveu fixar residência em Juazeiro por um sonho que teve onde Jesus olhava para pessoas que pareciam ser retirantes nordestinos e apontando para o padre lhe pedia para cuidar dos pobres.

Ficou conhecido e aclamado pelos fiéis através de um suposto milagre onde a hóstia se tornou em sangue na boca de uma beata, porém o Vaticano não reconheceu o milagre e o afastou da igreja.

Em vida, o padre Cícero tornou-se um mito. Adorado pelo povo, adulado pelos políticos, ele morreu sem ser perdoado pela Igreja, um objetivo que perseguiu durante quase toda sua vida religiosa. No entanto, o enigma do milagre, que justificou todos os acontecimentos de Juazeiro, continua sem solução. Não para o povo do Nordeste, que acredita nele e que já elegeu, há muito tempo e por voto direto, o padre Cícero como santo para valer.

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

 

 

Referências:

Aventuras da História [homepage na internet] Meu padrinho Padre Cícero

[acesso em 28 de janeiro 2016]. Disponível em:http://guiadoestudante.abril.com.br/aventuras-historia/meu-padrinho-padre-cicero-433561.shtml

 

Wikipédia[homepage na internet]Padre Cícero
[acesso em 22 de janeiro 2016]. Disponível em:https://pt.wikipedia.org/wiki/Padre_C%C3%ADcero

Imagem 1669

A Cuia de Novo Hamburgo-RS, já pertencia a Pastoral da Criança do município desde o ano 2000. No dia 9 de janeiro de 2015, ela entrou para o acervo do Museu da Vida, por meio da doação de Nilva Canuto Libardi. Esta é uma cuia em formato grande, para ser usada como decoração.

A cuia é uma vasilha feita do fruto da cueira ou do porongo, que pode ser simples ou mesmo ricamente lavrada e ornada em ouro, prata e outros metais, com a largura de uma boa caneca e a altura de um copo fundo, no formato de um seio de mulher (no caso do porongo) ou no de uma esfera (no caso da cuieira).

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Referências:

Wikipédia[homepage internet]Chimarrão[acesso em 4 de março de 2016]. Disponível em:https://pt.wikipedia.org/wiki/Chimarr%C3%A3o

00000344

Casal em palha de milho confeccionada em 17/05/2000, esta peça doada ao Museu da Vida homenageia o casal mais idosos da Pastoral da Criança de União da Vitória.

 

 

 

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Imagem 851

 

Esta peça é feita de Cabaça que tem sido ultilizada como matéria prima em vários artesanatos que devido suas multiformes permite que sejam elaborados produtos das mais diferentes formas.

Unaí é um município de Minas Gerais que é um dos maiores produtores de grãos do Brasil, também se destaca seu sítio arqueológico onde encontramos a  Gruta do Gentio II, que registra vestígios de povos de mais de 10 000 anos, e de povos horticuladores de quase 4 000 anos, que cultivavam, segundo abundantes vestígios vegetais: milho, amendoim, abóbora e também a cabaça. No município, se tem o registro da mais antiga cerâmica brasileira fora da Amazônia, datada de 3500 anos.

 

 

 

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

 

 

 

 

Referências:

Wikipédia [homepage na internet] Unaí[acesso em 28 de janeiro de 2016] Disponível em:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Una%C3%AD

 

 

Imagem 850

Esta Capelinha Missionária é uma réplica de um presente do papa Bento XVI à Conferência de Aparecida que aconteceu de 13 á 31 de maio de 2007, (esta conferência se trata de reuniões dos bispos nas quais analisam a vida da igreja em seus territórios, descobrem aspectos positivos e negativos, identificam problemas comuns, e deliberam de comum acordo sobre as soluções e linhas de ação pastoral, esta conferência é convocada pelo Papa a partir do pedido de um grupo de Conferências episcopais.) O próprio papa explicou este símbolo na conclusão do seu discurso inaugural: nele estão presentes a espiritualidade, o programa pastoral característico e o lema propostos da 5.ª Conferência, "Discípulos e Missionários de Jesus Cristo, Para que Nossos Povos Tenham Vida. 'Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida'" (Jo 14, 6).


 

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

 

Referências:

Sim Missão[homepage na internet] Continental: quatro anos do nascimento de um Projeto comum para
a Igreja na América Latina e Caribe[acesso em 28 de janeiro de 2016] Disponível em:

http://www.pom.org.br/sim/211/capa.html

Imagem 846

Miniatura da Paróquia Sagrado coração de Jesus, feita em madeira,  doada ao Museu da Vida em 10/01/2015, por  Sonia Maria Santana Magalhães originária de Jundiaí SP
A igreja do Sagrado Coração de de Jesus é mais uma atração na cidade de Louveira.
Louveira está localizada no roteiro da uva além das cidades de Vinhedo,Itupeva,Itatiba e Jarinu. A presença de templos católicos nessa região é muito forte devido aos imigrantes italianos que se estabeleceram ali.
A Igreja do Sagrado Coração é muito bonita e conta com uma bela praça seu redor.
 

 

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Imagem 840

Lembrança de Santo Angelo RS, Esta cruz representa a cruz que se encontra a frente da Catedral Angelopolitana.

Santo Angelo foi fundada em 1706 por padres jesuitas espanhois, como parte do Imperio Espanhol na America do Sul. Destruida por portugueses e espanhois na chamada Guerra Guaranitica em 1756, a cidade ficou em ruinas cerca de 100 anos. Em meados do seculo XIX recomecou o povoamento culminando na emancipação politica em 1873.

 

 

 

Para mais informações acesse nosso código de acervo clique aqui.

Conte uma história sobre este link clicando aqui.

Página 1 de 3