A solidariedade das crianças como exemplo dos Reis Magos 

Pequenos reis magos recolhendo doações

Crianças da Paróquia Bom Pastor - Curitiba (PR)

Tendo Jesus nascido em Belém da Judeia, no tempo do rei Herodes, eis que vieram magos do Oriente perguntando: "Onde está o rei dos judeus recém-nascido? Com efeito, vimos a sua estrela no Oriente e viemos homenageá-lo". Em seguida, abriram seus cofres e lhe ofereceram presentes: ouro, incenso e mirra (Mt 2, 1-2,11). Trazendo esse exemplo da Bíblia para os nossos dias, podemos nos inspirar neste ato de visitar as famílias e celebrar a chegada de uma nova vida - como fazem os líderes da Pastoral da Criança, que levam como presente muito amor, informação e companheirismo.

E se um grupo de crianças vestidas de Reis Magos batesse em sua porta, trazendo mensagens de paz e de comprometimento com crianças do mundo inteiro? Na Alemanha, esta cena é uma tradição que teve início há mais de 160 anos. Em meados de 1843, Auguste von Sartorius, menina nascida em uma família rica de Aachen, ficou sensibilizada com as notícias sobre crianças carentes e em perigo de vida na China e na África. Quando tinha de 13 para 14 anos, decidiu angariar dinheiro com os amigos e parentes para resolver a situação das crianças no mundo.

O período da campanha é o Advento – preparação para o Natal.

Seria como se os Reis Magos estivessem buscando os recursos necessários para entregar ouro, incenso e mirra para o próprio Jesus no dia 6 de janeiro.

Desde 1959, essa prática foi retomada como uma ação de solidariedade que acontece até hoje, organizada pela Kindermissionswerk, beneficiando projetos com crianças de diversos países. E que também desperta, nas próprias crianças, uma atitude missionária.

Próximo ao dia 6 de janeiro, cerca de 500 mil crianças alemãs, entre 8 e 13 anos, de 12.500 paróquias, saem pelas ruas como Sternsinger, os Cantores da Estrela. Vestidos como Reis Magos, as crianças levam à frente uma estrela e marcam nas casas por onde passam a sigla “C+M+B”, em latim: Christus Mansionem Benedicat, que em português significa: "Cristo abençoe este lar". Após cantarem e abençoarem as residências, elas arrecadam dinheiro para as crianças e jovens vulneráveis do mundo.

As crianças alemãs já ajudam a Pastoral da Criança Internacional, contribuindo para atividades nas Filipinas, na Guatemala e no Panamá. Futuramente, ajudarão as crianças africanas e de outros países da América Latina e Caribe.

A campanha Pequenos Reis Magos do Brasil tem como objetivo angariar recursos para as crianças em situação de vulnerabilidade de países subdesenvolvidos e conscientizar as crianças brasileiras sobre a realidade de outros países, além de despertar a solidariedade e o espírito missionário.

pequenos reis magos haiti

Celebração da Vida da Pastoral da Criança no Haiti

Em 2016 a campanha continua!

A motivação e o compromisso das crianças, dos jovens, dos catequistas e párocos, assim como a acolhida das famílias às crianças e a solidariedade expressa ao fazer a doação, resultou em uma experiência piloto realizada com êxito em 2015. Isto reforça a importância de expandir a campanha Pequenos Reis Magos para outras dioceses.

Os Pequenos Reis Magos de 2016 cantarão, celebrarão e abençoarão as casas em que passarem, e com o recurso arrecadado, ajudarão as crianças da Guatemala, Guiné-Bissau, Haiti e Moçambique. O valor obtido será enviado aos países, após a celebração da ação de graças pela campanha com a participação das crianças, que acontece na sede da Pastoral da Criança em Curitiba (PR), no dia 15 de janeiro.

Qualquer diocese pode se candidatar para realizar a campanha. Mas, é necessário que o bispo concorde com a iniciativa e escolha até três paróquias para realizá-la.

Confira as dioceses que já aderiram à campanha:

Arquidiocese de Belém (PA) | Arquidiocese de Curitiba (PR) | Arquidiocese de Maringa (PR)Arquidiocese de Natal (RN) |Arquidiocese da Paraíba (PB) | Arquidiocese de Porto Alegre (RS)Arquidiocese de São Salvador (BA) | Diocese de Estância (SE) | Diocese de Barra do Garças (MT) | Diocese de Barra do Piraí (RJ) |  Diocese de Bragança do Pará (PA) | Diocese de Cametá (PA) | Diocese de Colatina (ES) | Diocese de Marabá (PA) | Diocese de Nazaré (PE) | Diocese de São José dos Pinhais (PR) | Diocese de São Mateus (ES) | Diocese de Tocantinópolis (TO)

Neste caso, é fundamental que o padre possa se envolver e mobilizar os catequistas e pessoas da comunidade, para formarem a equipe de apoio. É um compromisso da paróquia assumir a realização da campanha. Aquelas que se comprometerem precisarão elaborar o planejamento de datas para as atividades e todos os envolvidos deverão ler atentamente a apostila sobre a execução da campanha, assim como os demais materiais informativos.

Materiais da Campanha Pequenos Reis Magos

Divulgação:

Apresentação campanha Pequenos Reis Magos

Apoio para a realização da campanha:

Apostila de orientação para realização da campanha (.PDF)

Quem faz a campanha - lista de compromissos (.DOC)

Modelo de ofício solicitando a autorização dos bispos para realização da campanha (.PNG)

Como sugestão, os bispos podem apenas dar um simples "de acordo" no ofício assinado pelo coordenador da Pastoral Internacional ou adotar a sugestão do ofício de autorização, conforme modelo anexo abaixo.

Sugestão ofício de autorização do bispo (.DOC)

Santinho (campanha de 2016)

Cartaz (campanha de 2016)

O Brasil também ajudou em 2015

No Brasil, foi realizada em 2015, como experiência piloto, a campanha Pequenos Reis Magos pelas crianças e jovens da catequese e com o apoio dos bispos, padres e pessoas da Pastoral da Criança.

A experiência conquistou crianças da catequese, dos municípios de Curitiba e Campo Largo (PR) na Arquidiocese Curitiba, e do município de Bayeux, da Arquidiocese da Paraíba. Se envolveram cerca de 400 crianças e o valor arrecadado na campanha foi repassado às crianças de Guiné-Bissau, na África, um dos países mais pobres do mundo, e garantiu o acompanhamento de um terço das crianças cadastradas pela Pastoral da Criança no país, durante um ano.

Em agosto de 2015, Dom Zilli, bispo brasileiro responsável pela Diocese de Bafatá, uma das duas existentes em Guiné-Bissau, visitou a sede da coordenação nacional da Pastoral da Criança e o Museu da Vida. Também, conheceu as crianças que fazem catequese na Paróquia Bom Pastor, de Curitiba, que já estavam se preparando para realizar a campanha e ficaram muito mais motivadas pelas histórias contadas pelo bispo sobre a realidade do país africano. Em julho de 2016, Dom Zilli esteve novamente no Brasil, deixando agradecimentos e um convite para que todos se envolvam na continuidade da campanha. 

Oração de Ave Maria, feita no Haiti e em Guiné-Bissau

Faça download dos vídeos: Ave Maria em creolo / Crianças de Guiné-Bissau rezam a ave maria em português