De parto normal, nasceu nesta segunda-feira (22 de julho) em Londres o bebê real, filho da duquesa de Cambridge, Kate Middleton, e do príncipe William. O menino que nasceu com 3,798 kg, terceiro na linha sucessória e futuro rei é o terceiro bisneto da rainha Elizabeth. De parto normal nascem os príncipes porque o parto normal, no tempo certo, é o mais seguro tanto para a mãe quanto para o bebê.


A Pastoral da Criança incentiva o parto normal. E o Ministério da Saúde faz campanha para  reduzir o percentual de cesarianas que já representa 43% dos partos realizados no Brasil no setor público e no privado. No Reino Unido, onde nasceu o príncipe, apenas 10% dos partos são cesarianas. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), as cirurgias deveriam corresponder a, no máximo, 15% dos partos.

Muitas mulheres, ou seus médicos, fazem a opção pela cesariana  quando este parto cirúrgico poderia ser evitado. A cesariana só deve ser feita se houver necessidade. Com o acompanhamento do médico no pré-natal (pelo menos seis consultas), a gestante deve realizar os exames indicados e receber orientação para garantir a sua saúde e a do bebê que vai nascer. Com todos os cuidados e atenção que este período exige, é muito grande a possibilidade de a gestante ter um parto normal ou natural, como alguns preferem dizer.

Se tudo correr bem na gestação, é importante esperar que a mulher entre em trabalho de parto. De acordo com especialistas, a idade gestacional de menor risco para a criança está entre 39 e 41 semanas. Nascimentos anteriores a esta data – mesmo com 37 ou 38 semanas, ou após 41 semanas, apresentam maior risco de doenças para o bebê. Indução de parto ou cesariana antes de 39 semanas não devem ser realizadas, a não ser que o risco para o recém-nascido ou a mãe seja muito elevado – como sofrimento fetal, sangramento, eclâmpsia.

Quando o bebê nasce por parto normal, ele é mais ativo, respira melhor e tem vontade de mamar o colostro já nas primeiras horas de vida. A mãe sente menos dor depois do parto e se recupera mais rápido. No parto normal, o vínculo entre mãe e filho se estabelece rapidamente. A mãe acolhe o bebê que se sente mais seguro ao ouvir seus batimentos cardíacos, sua voz e seu calor.

Novas pesquisas mostram que o período de gestação e os dois primeiros anos de vida da criança são decisivos para determinar o aparecimento de doenças crônicas na idade adulta. Doenças como diabete, hipertensão, osteoporose e doenças coronarianas estão relacionadas com o baixo peso (abaixo de 2,5 kg) da criança ao nascer.

Por isso, gestantes devem buscar uma vida saudável. Deve  consumir alimentos nutritivos e variados. Evitar o fumo e o álcool. E quando o bebê nascer amamentar no peito. O aleitamento materno funciona como uma vacina para evitar as doenças.

(Com informações do Jornal da Pastoral da Criança, março 2012)

Logo museu da vida horizontal 012

banner2

banner2

educacao etica3

Viva a Vida2

banner rouanet

banner

banner rouanet

banner rouanet