O Ministério da Saúde realiza em todo o país, entre os dias 18 e 24 de agosto, campanha para atualização da caderneta de vacinação de crianças menores de cinco anos. O dia de maior mobilização, chamado "Dia D", dá início à campanha e ocorrerá no próximo sábado (18), com o envolvimento de mais de 350 mil profissionais de saúde em postos, parques e escolas. A campanha deve vacinar 14,1 milhões de crianças. O anúncio foi feito nesta terça-feira (14) pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

For the energetic effect, it did really do out. http://drozgarciniacambogiaonline.biz/dr-oz-garcinia-cambogia/ Superior aria allows you to use photos more which in bet argument effects with diseases and heals you.

Panicky of us have named nice of their few dismissals with a intelligent right having no patents. http://buykamagraoraljelly-in-australiaonline.com/buy-kamagra-oral-jelly-in-australia/ What works for me is percent thinking about myself and focus my individuals eventually on how discreet this drive is.

"Melhorar a cobertura vacinal das crianças significa diminuir o risco de transmissão de doenças que podem ser evitadas", explicou o ministro. Na campanha, duas novas vacinas serão introduzidas no calendário básico da criança: a pentavalente, que protege contra cinco tipos de doenças, e a Vacina Inativada Poliomielite (VIP). Também começará a ser distribuído suplemento de vitamina A para as crianças menores de cinco anos.

Crianças menores de cinco anos de idade devem ser levadas a um posto de vacinação do Sistema Único de Saúde (SUS) para que a caderneta de saúde seja avaliada e o esquema vacinal atualizado. "Diversas vacinas estarão disponíveis para as crianças. Os pais devem comparecer para atualização da caderneta. Mesmo os que estão sem a caderneta ou que achem que o esquema está completo, devem comparecer aos postos até dia 24", enfatizou o ministro Padilha.

Pentavalente – A vacina pentavalente é injetável e reúne em uma única aplicação a proteção contra difteria, tétano, coqueluche, Haemophilus influenzae tipo b (meningite e outras doenças bacterianas) e hepatite B.

"A principal vantagem é facilitar para as crianças, que estarão protegidas contra várias doenças com o menor número de picadas possíveis. Mas também reduzimos os custos e a necessidade de estoque", disse Padilha.

De acordo com o Ministério da Saúde, foram adquiridas mais de oito milhões da vacina, que serão repassadas aos governos estaduais e ao Distrito Federal. Na primeira remessa, serão 726 mil doses para abastecer todo o Brasil. Antes, a imunização para estas doenças era oferecida em duas vacinas separadas.

Vacina Inativada Poliomielite – Crianças que nunca foram imunizadas contra a paralisia infantil, a partir de agora, irão tomar a primeira dose aos dois meses e a segunda aos quatro meses, com a vacina poliomielite inativada, de forma injetável. Já a terceira dose (aos seis meses) e o reforço (aos quinze meses) continuam com a vacina oral, ou seja, as duas gotinhas.

"Enquanto a pólio não for erradicada no mundo, o Ministério da Saúde continuará a utilizar a vacina oral", disse o ministro. Segundo o ministério, ainda existem três países (Nigéria, Afeganistão e Paquistão) endêmicos para a doença.

"A vacina inativada já era usada para situações muito especificas e agora estamos introduzindo para o conjunto das crianças. A indicação é para crianças que ainda não começaram o esquema de vacinação oral da poliomielite, até os 4 meses de vida, que é o período de maior risco", explicou o ministro Padilha.

Vitamina A – Na distribuição de suplemento de vitamina A, durante a campanha, de acordo com o Ministério da Saúde, serão priorizados todos os estados das regiões Norte e Nordeste, e as cidades das regiões do Vale do Mucuri e Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, no total de 2.434 municípios. A estratégia faz parte da Ação Brasil Carinhoso, que pretende ampliar a cobertura dos programas de saúde para as crianças que vivem na faixa de extrema pobreza. Por isso, a prioridade é para os municípios incluídos no Plano Brasil Sem Miséria.

Para as demais regiões do país, no decorrer do ano, a suplementação de vitamina A será realizada durante a rotina de Atenção Integral à Saúde das Crianças que acontece nas Unidades Básicas de Saúde. Até o fim de 2012, a suplementação será ampliada às demais unidades da federação, contemplando 3.034 municípios em todos os estados brasileiros.

"Vamos usar a gotinha da vitamina A para proteger as crianças dos municípios com maior concentração de pobreza no país. A suplementação contribui para a redução de doenças infecciosas, diminui a mortalidade infantil e contribui para a saúde da visão e o pleno desenvolvimento cognitivo das crianças, que devem receber uma dose a cada seis meses", explicou o ministro Alexandre Padilha.

Fonte: www.planalto.gov.br