Ao longo de sua atuação, os líderes da Pastoral da Criança encontram nas comunidades um grande número de acidentes e agressões sofridas pelas crianças. Há acidentes domésticos, de trânsito - como os atropelamentos e outros - e aqueles decorrentes de maus tratos provocados pelos adultos.

Pesquisas revelam que os principais acidentes entre as crianças menores de um ano estão relacionados com a asfixia, ingestão de objetos, quedas e queimaduras. Entre as crianças de um a 6 anos, estão os atropelamentos, queimaduras, envenenamentos, sufocações e quedas. Após os 4 anos de idade até os 40 anos de vida, as causas externas (como acidentes e violência) são as principais causas de morte no Brasil.

Considerando o sofrimento que os acidentes ocasionam, as grandes dificuldades que se têm para encontrar o socorro de hospitais e atendimentos de emergência, para a Pastoral da Criança está muito claro que é "melhor prevenir do que remediar". Por isso, o líder recebe formação e informação que o ajuda a refletir sobre o problema, especialmente com o apoio do Guia do Líder.

O Guia explica os principais cuidados que se deve ter em cada fase de desenvolvimento da criança. O objetivo é orientar os adultos sobre a importância de impor limites à criança como, por exemplo, ensiná-la que não pode pegar certas coisas porque corre perigo de se machucar ou estragar pertences de outras pessoas. O Guia também ensina como os adultos devem explicar à criança, com carinho e firmeza, mas sem violência, o que ela pode e o que não pode fazer. As pessoas aprendem também com histórias do cotidiano e, a partir delas, a refletir sobre o assunto.

É na família e na comunidade que a pessoa começa a ser educada, tanto para a violência quanto para a paz. A campanha Educação para a Paz, lançada em 1999, foi incorporada entre as ações da Pastoral da Criança. O objetivo é colaborar para que cada família venha a educar seus filhos para a paz. E a melhor forma de educação que a família pode dar é o exemplo, que cativa e contribui para criar "uma cultura do amor" no ambiente familiar e na comunidade.

Todos nós, líderes, coordenações e voluntários, podemos levar a prevenção da violência familiar, acidentes e outros sofrimentos que atigem nossas crianças com nossa metodologia que favorece o relacionamento dentro da família e entre as famílias na comunidade. Nas visitas domiciliares, é possível enriquecer a auto estima das pessoas, valorizar a amizade entre as famílias e conhecimento sobre fatores que representam perigo de acidentes ou que prejudicam o desenvolvimento infantil. 

No Dia da Celebração da Vida proporcione espaços para brincar. Ofereça orientações sobre os perigos dentro de casa. Os acidentes podem ser orevenidos ou se ensinar a criança sobre como conviver com o ambiente que nem sempre é seguro. Devemos reforçar que os adultos têm grande responsabilidade pela educação de seus filhos e que devem amá-los e respeitá-los, antes de tudo, como seres humanos, únicos e dignos.

 

Clóvis Boufleur, Gestor de Relações Institucionais

Jornal da Pastoral da Criança - julho 2012

Saiba mais SBP: Crianças e Adolescentes em Segurança

Escute o Viva a Vida

Os programa Viva a Vida elaborou uma série de 4 programas abordando o tema "Prevenção de Acidentes" e também sobre as principais emergências infantil. Esses programas podem ser ouvidos junto com as famílias da comunidade. Medidas simples podem evitar muitos acidentes.

Programa 953 - Emergências infantis 1 - cortes, fraturas, luxações e entorses.

Programa 954 - Emergências infantis 2 - afogamento, asfixia e ingestão de corpos estranhos

Programa 955 - Emergências infantis 3 - envenenamento, intoxicação, mordeduras e picadas

Programa 956 - Emergências infantis 4 - queimaduras, choque elétrico, desmaios e convulsões 

Clique aqui para acesso aos programas